6 de agosto de 2014

Comentários de João 4

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. Quando, pois, o Senhor entendeu que os fariseus ouviram que Jesus fazia e batizava mais discípulos que João
2. (ainda que Jesus mesmo não batizava, mas sim seus discípulos),
3. Ele deixou a Judeia, e foi outra vez para a Galileia.
4. E foi necessário passar por Samaria.
5. Veio pois a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, junto à propriedade que Jacó deu a seu filho José.
6. E ali estava a fonte de Jacó. Então Jesus, cansado do caminho, sentou-se assim junto à fonte; era isto quase à hora sexta.
7. Veio uma mulher de Samaria para tirar água; Disse-lhe Jesus:
Dá-me de beber.
8. (Porque seus discípulos haviam ido à cidade para a comprar de comer).
9. Disse-lhe pois a mulher samaritana: 
Como, sendo tu judeu, me pedes de beber, que sou mulher samaritana? 
(Porque os judeus não se comunicam com o samaritanos.)
10. Respondeu Jesus, e disse-lhe: 
Se tu conhecesses o dom de Deus, e quem é o que te diz:
Dá-me de beber,
tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.
11. Disse a mulher: 
Senhor, tu não tens com que [a] tirar, e o poço é fundo; de onde pois tens a água viva?
12. És tu maior que nosso pai Jacó, que nos deu o poço? E ele mesmo dele bebeu, e seus filhos, e seu gado?
13. Jesus respondeu, e disse-lhe: 
Todo aquele que beber desta água voltará a ter sede;
14. Porém aquele que beber da água que eu lhe der, para sempre não terá sede, mas a água que eu lhe der se fará nele fonte de água, que salte para vida eterna.
15. Disse-lhe a mulher: 
Senhor, dá-me desta água, para que eu não tenha [mais] sede, nem venha aqui para tirar.
16. Disse-lhe Jesus: 
Vai, chama a teu marido, e vem cá.
17. A mulher respondeu, e disse: 
Não tenho marido. 
Disse-lhe Jesus: 
Bem disseste:
Marido não tenho.
18. Porque cinco maridos tiveste, e o que agora tens não é teu marido; isto com verdade disseste.
19. Disse-lhe a mulher: 
Senhor, vejo que és profeta.
20. Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que em Jerusalém é o lugar onde se deve adorar.
21. Disse-lhe Jesus: 
Mulher, crê em mim, que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém, adorareis ao Pai.
22. Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos, porque a salvação vem dos judeus.
23. Porém a hora vem, e agora é, quando os verdadeiros adoradores adorarão ao Pai em espírito e em verdade; porque também o Pai busca a tais que o adorem.
24. Deus é Espírito, e os que o adoram devem adorá[-lo] em espírito e em verdade.
25. Disse-lhe a mulher: 
Eu sei que o Messias vem (que se chama o Cristo); quando ele vier, todas as coisas nos anunciará.
26. Disse-lhe Jesus: 
Eu sou o que contigo falo.
27. E nisto vieram seus discípulos; e maravilharam-se de que falasse com uma mulher; mas ninguém [lhe] disse: 
Que perguntas? 
ou, 
O que falas com ela?
28. Deixou, pois, a mulher seu vaso de água, e foi à cidade, e disse ao povo:
29. Vinde, vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito; por acaso não é este o Cristo?
30. Saíram, pois, da cidade, e vieram a ele.
31. E enquanto isso, os discípulos lhe pediam, dizendo: 
Rabi, come.
32. Porém ele lhes disse: 
Uma comida tenho que comer, que vós não sabeis.
33. Diziam, pois, os discípulos uns aos outros: 
Por acaso alguém lhe trouxe de comer?
34. Disse-lhes Jesus: 
Minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e cumprir sua obra.
35. Não dizeis vós, que ainda há quatro meses até que venha a ceifa? Eis que vos digo: Levantai vossos olhos, e vede as terras; porque já estão brancas para a ceifa.
36. E o que ceifa, recebe recompensa, e junta fruto para vida eterna; para que ambos se alegrem, tanto o que semeia, quanto o que ceifa.
37. Porque nisto é verdadeiro o ditado, que: 
Um é o que semeia, e outro o que ceifa.
38. Eu vos enviei para ceifar onde vós não trabalhastes; outros trabalharam, e vós entrastes no trabalho deles.
39. E muitos dos samaritanos daquela cidade creram nele pela palavra da mulher, que testemunhava, dizendo: 
Ele me disse tudo quanto eu tenho feito.
40. Vindo pois os samaritanos a ele, suplicaram-lhe que ficasse com eles; e ele ficou ali dois dias.
41. E creram ainda muitos mais pela palavra dele.
42. E diziam à mulher: 
Já não cremos por teu dito; porque nós mesmos temos [o] ouvido, e sabemos que verdadeiramente este é o Cristo, o Salvador do mundo.
43. E depois de dois dias partiu dali, e foi-se para a Galileia.
44. Porque o mesmo Jesus testemunhou que não tem o Profeta honra em sua própria terra.
45. Vindo pois para a Galileia, os Galileus o receberam, havendo visto todas as coisas que fizera em Jerusalém no [dia] da festa, porque também eles foram ao [dia] da festa.
46. Veio pois Jesus outra vez a Caná da Galileia, onde da água fizera vinho. E estava ali um nobre, cujo filho estava enfermo em Cafarnaum.
47. Ouvindo este que Jesus vinha da Judeia para a Galileia, foi ter com ele, e suplicava-lhe que descesse, e curasse a seu filho, porque já estava à morte.
48. Disse-lhe pois Jesus: 
Se não virdes sinais e milagres não crereis.
49. O nobre lhe disse: 
Senhor, desce, antes que meu filho morra.
50. Disse-lhe Jesus: 
Vai, teu filho vive. 
E o homem creu na palavra que Jesus lhe disse, e se foi.
51. E [estando] ele já descendo, seus servos lhe saíram ao encontro, e [lhe] anunciaram, dizendo: Teu filho vive.
52. Perguntou-lhes pois, a que hora se achara melhor; e disseram-lhe: 
Ontem às sete horas a febre o deixou.
53. Entendeu pois o pai, que aquela era a mesma hora em que Jesus lhe disse: 
Teu filho vive. 
E creu nele, e toda sua casa.
54. Este segundo sinal Jesus voltou a fazer, quando ele veio d[a] Judeia a Galileia.




4.10 água viva. Não uma água literal, como a mulher samaritana pensava, mas uma água espiritual, que existe interiormente no coração daqueles que creem em Cristo e que vivem conforme a Sua Palavra. Podemos beber desta água na medida em que nos aproximamos de Deus, com base na oração, no louvor e na meditação bíblica.

4.18 e o que agora tens não é teu marido. O que implicava que a mulher mantinha relações extraconjugais, razão pela qual ela preferiu mudar de assunto logo em seguida e começar a debater (v.20).

4.21 nem neste monte, nem em Jerusalém, adorareis ao Pai. Jesus se ausentou do debate sobre o “lugar correto” de adoração na famosa disputa entre judeus e samaritanos, pois o que importava de fato não era olocal de adoração, mas o coração do adorador; aqueles que o buscam em espírito e em verdade (v.23). Sãoestes os adoradores que o Pai procura (v.23), e não aqueles que fazem parte de determinada igreja ou denominação, que adoram neste ou naquele templo, que tem carteirinha de membro desta ou daquela igreja. Os verdadeiros cristãos, que são a Igreja, não são aqueles que frequentam uma igreja mais antiga ou mais nova, que seguem uma instituição religiosa ou um líder terreno, mas aqueles que tem comunhão íntima com Deus, que vivem uma vida de santidade e busca ao Senhor, que amam Jesus e praticam seus mandamentos. Não é com templos ou com instituições que Deus está preocupado, mas com a vida daqueles que dizem segui-lo. Não é a igreja ou placas que salvam, mas Jesus. Ao chegarmos no dia do juízo, não nos será requisitada a carteirinha de membro ou a fidelidade a uma igreja em particular, mas será a nossa vida em secreto e a nossa comunhão com Deus e perdão para com o próximo que serão colocados em jogo. Cristo não veio fundar instituições religiosas, mas procurar um povo para si que o busque e o adore em espírito e em verdade, em conformidade com a Palavra de Deus. Estes são os verdadeiros cristãos, e esta é a verdadeira Igreja de Cristo.

4.32 uma comida tenho que comer. Novamente Jesus falava de uma comida espiritual (v.34), mas os discípulos pensavam que se tratava de um alimento físico (v.33). Dois capítulos adiante Jesus usaria metáforas semelhantes para falar sobre comida e bebida, mas os judeus o abandonariam pensando que Cristo estivesse se referindo a literalmente comer sua carne e beber seu sangue (v. notas em Jo.6).

4.35 ceifa. A ceifa ocorre no fim do mundo (Mt.13:39).

4.38 ceifar onde vós não trabalhastes; outros trabalharam, e vós entrastes no trabalho deles. Referindo-se aos profetas que viveram antes deles e que deram suas vidas em martírio esperando chegar este momento. Os discípulos estavam desfrutando dos frutos que outros haviam semeado com a própria vida.

4.42 salvador do mundo. V. nota em Jo.3:16.

4.44 não tem o profeta honra em sua própria terra. V. nota em Mc.6:3.

4.48 se não virdes sinais e milagres não crereis. Jesus considerava mais bem-aventurados aqueles que não viam milagres e criam, do que aqueles que precisavam ver para crer (Jo.20:29). Este segundo grupo de pessoas demonstra mais fé do que o primeiro, e esta fé é o elemento fundamental para a salvação. Crer depois de presenciar um milagre não é um problema; o problema é precisar ver um milagre para conseguir crer.

4.50 e o homem creu na palavra que Jesus lhe disse, e se foi. Aquele homem estava mais preocupado com a cura do seu filho do que com a sua própria fé, enquanto Jesus estava preocupado com ambos, mas principalmente com a fé daquele homem, que teria consequencias eternas. A resposta do homem no verso 49 mostra que ele apenas queria a cura do seu filho, sem demonstrar nenhuma preocupação com seu estado espiritual de fé ou descrença, ignorando a constatação de Cristo no verso 48. Jesus, então, fez algo incomum que praticamente obrigou aquele homem a exercer fé de fato: ao invés de ir até o filho e curá-lo, disse para voltar e crer que o filho já estava curado. É neste momento que pela primeira vez aquele homem demonstra fé, quando o texto diz que ele creu na palavra de Jesus e se foi. O relato termina mostrando que o filho enfermo teve seu corpo restaurado fisicamente, e o homem descrente teve sua fé restaurada espiritualmente (v.53).

0 comentários:

Postar um comentário

O seu comentário passará por moderação e em seguida será exibido ao público.