20 de julho de 2014

Comentários de Marcos 12

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. E começou a lhes dizer por parábolas: 
Um homem plantou uma vinha, cercou-a, fundou [nela] um esmagador de uvas, edificou uma torre, e a arrendou a uns lavradores; e partiu-se para fora d[aquela] terra.
2. E chegado o tempo, mandou um servo aos lavradores, para que recebesse dos lavradores do fruto da vinha.
3. Mas eles tomando-o, feriram[-no], e mandaram[-no] vazio.
4. E voltou a mandar-lhes outro servo; e eles. apedrejando-o, feriram-no na cabeça e voltaram a mandá-lo maltratado.
5. E voltou a mandar outro, ao qual mataram, e [mandou] muitos outros, e a uns feriram, e a outros mataram.
6. Tendo ele pois ainda um, o seu filho amado, mandou-lhes também por último a este, dizendo: 
Pelo menos terão respeito a meu filho.
7. Mas aqueles lavradores disseram entre si: 
Este é o herdeiro; vinde, [e] o matemos; então a herança será nossa.
8. E pegando dele, mataram[-no], e lançaram[-no] fora da vinha.
9. Que pois fará o senhor da vinha? Ele virá, destruirá aos lavradores, e dará a vinha a outros.
10. Nem ainda esta escritura tendes lido? 
A pedra que os edificadores rejeitaram, esta foi feita por cabeça de esquina.
11. Pelo Senhor foi feito isto, e é maravilhoso em nossos olhos.
12. E procuravam prendê-lo, mas temiam a multidão; porque entendiam que dizia aquela parábola [referindo-se] a eles; e deixando-o, foram embora.
13. E mandaram-lhe alguns dos fariseus e dos herodianos, para que o apanhassem em [alguma] palavra.
14. E eles, vindo, disseram-lhe: 
Mestre, sabemos que és homem de verdade, e não te interessa [agradar] a ninguém, porque não olhas para a aparência humana, mas com verdade ensinas o caminho de Deus; é lícito pagar tributo a César, ou não? Devemos pagar, ou não devemos?
15. E ele, entendendo a hipocrisia deles, disse-lhes: 
Por que me tentais? Trazei-me uma moeda, para que eu [a] veja.
16. E trouxeram. E disse-lhes: 
De quem é esta imagem, e a inscrição? 
E eles lhe disseram: 
De César.
17. E Jesus, respondendo, disse-lhes: 
Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. 
E maravilharam-se dele.
18. E vieram a ele os saduceus, que dizem que não há ressurreição, e perguntaram-lhe, dizendo:
19. Mestre, Moisés nos escreveu, que se o irmão de alguém morresse, e deixasse mulher, e não deixasse filhos, que seu irmão tomasse sua mulher, e levantasse semente a seu irmão.
20. Houve pois sete irmãos, e o primeiro tomou mulher, e morrendo, não deixou semente.
21. Tomou-a também o segundo, e morreu; e nem este deixou semente; e o terceiro da mesma maneira.
22. E a tomaram [todos] os sete, e não deixaram semente. Finalmente, depois de todos, morreu também a mulher.
23. Na ressurreição pois, quando ressuscitarem, de qual destes será a mulher? Porque os sete a tiveram por mulher.
24. E respondendo Jesus, disse-lhes: 
Não é por isso que vós errais, por não conhecerdes as Escrituras, nem o poder de Deus?
25. Porque quando ressuscitarem dos mortos, nem se casarão, nem se darão em casamento; mas serão como os anjos que [estão] nos céus.
26. E sobre os mortos que ressuscitarão, não tendes lido no livro de Moisés, como Deus lhe falou com a sarça, dizendo: 
Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó?
27. Deus não é [Deus] de mortos, mas de vivos. Portanto [vós] errais muito.
28. E vindo a ele um dos escribas, que os ouvira discutir, sabendo que lhes tinha bem respondido, perguntou-lhe: 
Qual de todos é o primeiro mandamento?
29. E Jesus lhe respondeu: 
O primeiro mandamento de todos os mandamentos [é]: 
Ouve Israel, o SENHOR nosso Deus é o único Senhor:
30. Amarás pois ao Senhor teu Deus de todo teu coração, e de toda tua alma, e de todo teu entendimento, e de todas tuas forças; 
este é o primeiro mandamento.
31. E o segundo, semelhante [a este] é: 
Amarás a teu próximo como a ti mesmo; 
não há outro mandamento maior que estes.
32. E o Escriba lhe disse: 
Muito bem, Mestre, com verdade disseste, que há um só Deus, e não há outro além dele.
33. E [que] amá-lo de todo coração, e de todo entendimento, e de toda a alma, e de todas as forças; e amar ao próximo como a si mesmo é mais que todas as ofertas de queima e sacrifícios.
34. E Jesus, vendo que ele tinha respondido sabiamente, disse-lhe: 
Tu não estás longe do Reino de Deus. 
E ninguém mais ousava lhe perguntar.
35. E respondendo Jesus, dizia, enquanto ensinava no Templo: 
Como os escribas dizem que o Cristo é Filho de Davi?
36. Porque o mesmo Davi disse pelo Espírito Santo: 
Disse o Senhor a meu Senhor, senta-te à minha direita, até que ponha a teus inimigos por suporte de teus pés.
37. Pois [se] Davi mesmo o chama [seu] Senhor, como, pois, é seu filho? 
E a grande multidão o ouvia de boa vontade.
38. E dizia-lhes em sua doutrina: 
Tomai cuidado com os escribas, que gostam de andar com roupas compridas, [amam] as saudações nas praças;
39. E as primeiras cadeiras nas sinagogas, e os primeiros assentos nas ceias.
40. Que comem as casas das viúvas, e [isso] com pretexto de longa oração. Estes receberão mais grave condenação.
41. E estando Jesus sentado de frente à arca do tesouro, observava como a multidão lançava dinheiro na arca do tesouro; e muitos ricos lançavam muito.
42. E vindo uma pobre viúva, lançou dois leptos, que são duas pequenas moedas.
43. E [Jesus], chamando a si seus discípulos, disse-lhes: 
Em verdade vos digo que esta pobre viúva lançou mais que todos os que lançaram na arca do tesouro;
44. Porque todos lançaram [nela] daquilo que lhes sobra; mas esta de sua pobreza lançou [nela] tudo o que tinha, todo seu sustento.




12.1-9 V. notas em Mt.21:33-34.

12.17
 
dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. V. nota em Mt.22:21.

12.24 por não conhecerdes as Escrituras. V. nota em Mt.22:29.

12.27 Deus não é Deus de mortos, mas de vivos. Embora alguns imortalistas usem esta passagem tirada de seu contexto para tentar argumentar que os que morreram estão vivos neste momento, ela em seu devido contexto prova exatamente o contrário. Isso porque Jesus usou esta passagem para provar que os mortos hão de ressuscitar (v.26), que era o que estava em jogo aqui. De que modo a tese de que os mortos estão vivos neste momento provaria a ressurreição? Em absolutamente nada. Os gregos da época de Jesus já criam em imortalidade da alma, mas nunca creram na ressurreição da carne. Ela só provaria efetivamente que os mortos ressuscitarão caso estes mortos estivessem realmente mortos (i.e, sem vida) neste presente momento, e o fato de Deus ser Deus de vivos provaria que estes mortos voltariam à existência um dia (ressuscitariam), ou senão Deus seria Deus de mortos. Portanto, a passagem, em seu devido contexto, prova o contrário da tese de imortalidade da alma. O argumento utilizado por Jesus só faz sentido e somente prova efetivamente a ressurreição caso o estado atual dos mortos seja sem vida.

Junto a isso, há diversos elementos textuais que também provam que Cristo contemplava a vida após a ressurreição nesta passagem, e não antes dela. Primeiro, porque ele diz que nós seremos como os anjosquando ressuscitarmos dos mortos (v.25), e não antes da ressurreição. Segundo, porque os próprios saduceus (que também não criam na imortalidade da alma) sabiam que Jesus também não cria que a alma era imortal, e por essa razão não fizeram qualquer questionamento a ele sobre o estado atual dos mortos ou sobre a imortalidade da alma. Como isso era um ponto em comum entre eles, eles perguntaram direto sobre a ressurreição, perguntando se “na ressurreição” (v.23) de quem ela seria esposa, e não depois da morte, em um suposto estado intermediário dos mortos. Eles não perguntaram: “quando ela morrer, de quem será esposa?”, mas sim: “na ressurreição, de quem será esposa?”. Terceiro, porque o texto equivalente em Lucas diz que eles seriam “filhos da ressurreição” (Lc.20:36), por ser na ressurreição que os mortos voltam à existência. Nada fala sobre ser filho de uma alma imortal ou de um estado intermediário.

12.34 ninguém mais ousava lhe perguntar. V. nota em Mt.22:45.

12.35 como que os escribas dizem que o Cristo é Filho de Davi? V. nota em Mt.22:45.

12.40 comem as casas das viúvas. Como os fariseus não eram assalariados nem trabalhavam, eles viviam de contribuição alheia, e muitas vezes abusavam disso, explorando principalmente os mais fracos e suscetíveis a contribuírem mais, como as viúvas. estes receberão mais grave condenação. V. nota em Mt.10:15.

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente.