20 de julho de 2014

Comentários de Marcos 13

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. E saindo ele do Templo, um de seus discípulos lhe disse: 
Mestre, olha que pedras, e que edifícios!
2. E respondendo Jesus, disse-lhe: 
Vês estes grandes edifícios? Não será deixada pedra sobre pedra, que não seja derrubada.
3. E sentando-se ele no monte das Oliveiras, de frente ao Templo, perguntaram-lhe à parte Pedro, e Tiago, e João, e André:
4. Dize-nos, quando serão estas coisas? E que sinal haverá de quando todas estas coisas se acabarão?
5. E respondendo-lhes Jesus, começou a dizer: 
Olhai que ninguém vos engane;
6. Porque virão muitos em meu nome, dizendo: 
Eu sou o [Cristo], 
e enganarão a muitos.
7. E quando ouvirdes de guerras, e de rumores de guerras, não vos perturbeis; porque [assim] convém acontecer; mas ainda não será o fim.
8. Porque nação se levantará contra nação, e reino contra reino, e haverá terremotos de lugar em lugar, e haverá fomes, e revoltas. Estes serão princípios de dores.
9. Mas olhai por vós mesmos; porque vos entregarão em tribunais, e em sinagogas; sereis açoitados, e sereis apresentados ante governadores e reis, por causa de mim, para que lhes haja testemunho.
10. E primeiramente o Evangelho deve ser pregado entre todas as nações.
11. Porém, quando vos levarem a entregar, não estejais ansiosos antecipadamente do que deveis dizer, nem o penseis; mas o que naquela hora for dado, isso falai. Porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo.
12. E o irmão entregará ao irmão à morte, e o pai ao filho; e os filhos se levantarão contra os pais, e os matarão.
13. E sereis odiados de todos por amor de meu nome; mas quem perseverar até o fim, esse será salvo.
14. E quando virdes a abominação da desolação, que foi dita pelo Profeta Daniel, estar onde não deve, (quem lê, entenda), então os que estiverem na Judeia, fujam para os montes.
15. E o que estiver sobre telhado, não desça para a casa, nem entre para tomar alguma coisa de sua casa.
16. E o que estiver no campo, não volte atrás, para tomar sua roupa.
17. Mas ai das grávidas, e das que amamentarem naqueles dias!
18. Orai, porém, que não aconteça vossa fuga no inverno.
19. Porque serão aqueles dias de tal aflição, qual nunca foi desde o princípio da criação das coisas, que Deus criou, até agora, nem tão pouco será.
20. E se o Senhor não encurtasse aqueles dias, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos, que escolheu, ele encurtou aqueles dias.
21. E então se alguém vos disser: 
Eis aqui está o Cristo; ou vede-o ali está, 
não creiais nele.
22. Porque se levantarão falsos cristos, e falsos profetas, e farão sinais e prodígios, para enganar, se fossa possível, até aos escolhidos.
23. Mas vós tomai cuidado, eis que vos tenho dito tudo antes.
24. Porém naqueles dias, depois daquela aflição, o sol se escurecerá, e a lua não dará seu brilho.
25. E as estrelas do céu cairão, e as forças que [estão] nos céus abalarão.
26. E então verão ao Filho do homem vir nas nuvens, com grande poder e glória.
27. E então enviará seus anjos, e juntará seus escolhidos dos quatro ventos, desde a extremidade da terra, até a extremidade do céu.
28. E aprendei a parábola da figueira: Quando já seu ramo se vai fazendo tenro, e brota folhas, bem sabeis que já o verão está perto.
29. Assim também vós, quando virdes suceder estas coisas, sabei que já está perto às portas.
30. Em verdade vos digo, que não passará esta geração, até que todas estas coisas aconteçam.
31. O céu e a terra passarão, mas minhas palavras em maneira nenhuma passarão.
32. Porém daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, a não ser somente o Pai.
33. Olhai, vigiai, e orai; porque não sabeis quando será o tempo.
34. Como o homem que, partindo-se para fora de sua terra, deixou sua casa, e deu autoridade a seus servos, e a cada um seu trabalho, e mandou ao porteiro que vigiasse,
35. Vigiai pois, porque não sabeis quando virá o Senhor da casa; se à tarde, se à meia-noite, se ao canto do galo, se pela manhã,
36. Para que não venha de surpresa, e vos ache dormindo.
37. E as coisas que vos digo, digo a todos: Vigiai.





13.4 quando serão estas coisas. V. Nota em Mt.24:3.

13.14
 
quem lê, entenda. Diferentemente do ensinado no catolicismo romano, onde o livre exame é proibido e o leitor tem que se submeter à interpretação do magistério romano em cada questão, Jesus diz que a própria pessoa que lê é capaz de entender – exatamente como ocorre no livre exame bíblico praticado pelos evangélicos. abominação da desolação. V. nota em Mt.24:15.

13.17 ai das grávidas. V. nota em Mt.24:19.

13.18 inverno. V. nota em Mt.24:20. vossa fuga. V. nota em Mt.24:20.

13.20 por causa dos escolhidos. V. nota em Mt.24:22.

13.22 se fosse possível. Tradução equivocada. O grego traz “se possível” (ei dunaton), e não “se fossepossível”. O texto não está dizendo “se fosse possível”, e sim “se possível”, no sentido de “se conseguir”. Este é o sentido que permeia todo o NT nas ocasiões em que o mesmo termo é empregado em outras passagens. Lucas diz que Paulo “estava com pressa de chegar a Jerusalém, se possível antes do dia de Pentecoste” (At.20:16). Este “se possível” (ei dunaton) é o equivalente a “se conseguir”, pois Paulo de fato conseguiu chegar (dois dias) antes do Pentecoste (At.21:17). Paulo diz que, “se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens” (Rm.12:18). Ele obviamente não está pedindo para que os romanos fizessem oimpossível (como se não pudéssemos viver em paz com ninguém), mas o possível. “Se possível” (ei dunaton) expressa uma possibilidade real e muitas vezes concretizada, e não algo impossível de acontecer. Assim sendo, é possível que alguns eleitos sejam enganados pelo anticristo, comprometendo sua salvação. A simples possibilidade aberta é suficiente para mostrar que estar entre os eleitos não significa que não se possa perder a salvação e voltar ao mundo (v. nota em 2Pe.1:10).

13.26 vir nas nuvens. V. nota em Lc.21:27.

13.27 e então enviará seus anjos, e juntará seus escolhidos dos quatro ventos. Como fica claro, o arrebatamento da Igreja ocorre depois, e não antes da grande tribulação. Jesus em momento nenhum de seu longo discurso sobre os acontecimentos pré-tribulacionais, tribulacionais e pós-tribulacionais afirma que existe um arrebatamento secreto da Igreja antes da tribulação, mas situa tal arrebatamento no v.27, já depois de todos os acontecimentos tribulacionais.

13.30 esta geração. V. nota em Lc.21:32.

13.32 daquele dia e hora. V. nota em Mt.24:36.

13.32 nem o Filho. Obviamente Jesus no Céu, como Deus, possui o atributo da onisciência e tem conhecimento do dia da sua volta. Quando ele disse que não sabia o dia que voltaria ele dizia como homem, durante o período de sua existência terrestre, e naquele momento, como homem, ele não tinha o atributo divino da onisciência (v. nota em Mc.6:5), e por isso humanamente não sabia o dia da sua volta.

0 comentários:

Postar um comentário

O seu comentário passará por moderação e em seguida será exibido ao público.