30 de julho de 2014

Comentários de Lucas 20

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. E aconteceu, num daqueles dias que, enquanto ele estava ensinando ao povo no Templo, e anunciando o Evangelho, vieram até ele os chefes dos sacerdotes, e os escribas com os anciãos.
2. E falaram-lhe, dizendo:
Dize-nos, com que autoridade fazes estas coisas? Ou quem é o que te deu esta autoridade?
3. E respondendo ele, disse-lhes:
Também eu vos perguntarei algo, e dizei-me:
4. O batismo de João era do céu, ou dos homens?
5. E eles discutiam entre si, dizendo:
Se dissermos:
Do céu,
ele nos dirá:
Por que, então, vós não [o] crestes?
6. E se dissermos:
Dos homens,
todo o povo nos apedrejará; pois estão convencidos de que João era profeta.
7. E responderam que não sabiam de onde [era].
8. E Jesus lhes disse:
Nem eu vos direi com que autoridade eu faço estas coisas.
9. E começou a dizer ao povo esta parábola:
Um certo homem plantou uma vinha, e a arrendou a [uns] lavradores, e viajou para outro país por muito tempo.
10. E certo tempo [depois] mandou um servo aos lavradores, para que lhe dessem do fruto da vinha; mas os lavradores, espancando-o, mandaram[-no] sem coisa alguma.
11. E voltou a mandar outro servo; mas eles, espancando e humilhando também [a ele], o mandaram sem nada.
12. E voltou a mandar ao terceiro; mas eles, ferindo também a este, [o] expulsaram.
13. E o senhor da vinha disse:
Que farei? Mandarei a meu filho amado; talvez quando o verem, [o] respeitarão.
14. Mas os lavradores, vendo-o, discutiram entre si, dizendo:
Este é o herdeiro; vamos matá-lo, para que a herança venha a ser nossa. 
15. E expulsando-o da vinha, [o] mataram. O que, então, lhes fará o senhor da vinha?
16. Virá, e destruirá a estes lavradores, e dará a vinha a outros.
E eles, ouvindo isto, disseram: 
Que [isto] nunca aconteça!
17. Mas [Jesus], olhando para eles, disse:
Por que, então, isto está escrito:
A pedra que os construtores rejeitaram, essa foi posta como a principal da esquina?
18. Todo aquele que cair sobre aquela pedra, se quebrará em pedaços; e aquele sobre quem ela cair, se fará pó.
19. E os chefes dos sacerdotes e os escribas queriam detê-lo naquela mesma hora, mas temiam ao povo; porque entenderam que foi contra eles que ele tinha dito a parábola.
20. E, observando-o, mandaram espiões, que fingissem ser justos, para o pegarem por meio de algo que ele dissesse, e o entregarem ao poder e autoridade do governador.
21. E perguntaram-lhe, dizendo:
Mestre, nós sabemos que falas e ensinas corretamente, e que não te importas com as aparências, mas na verdade tu ensinas o caminho de Deus.
22. É lícito para nós dar tributo a César, ou não?
23. E ele, entendendo a astúcia deles, disse-lhes:
Por que me tentais?
24. Mostrai-me uma moeda; ela tem a imagem e a inscrição de quem?
E eles, respondendo, disseram:
De César.
25. Então lhes disse:
Dai pois a César o que [é] de César, e a Deus o que [é] de Deus.
26. E não puderam lhe pegar em algo que ele tenha dito diante do povo; e maravilhados de sua resposta, calaram-se.
27. E chegando-se alguns dos saduceus, que negam haver a ressurreição, perguntaram-lhe,
28. Dizendo:
Mestre, Moisés nos escreveu, que se o irmão de alguém morrer, tendo mulher, e morrer sem filhos, o irmão deve tomar a mulher, e gerar descendência a seu irmão.
29. Houve, pois, sete irmãos, e o primeiro tomou mulher, e morreu sem filhos.
30. E o segundo a tomou; e [também] este morreu sem filhos.
31. E o terceiro a tomou, e assim também os sete, e não deixaram filhos, e morreram.
32. E por fim, depois de todos, morreu também a mulher.
33. Na ressurreição, pois, ela será mulher de qual deles? Pois os sete a tiveram por mulher.
34. E respondendo Jesus, disse-lhes:
Os filhos destes tempos se casam, e se dão em casamento.
35. Mas os que forem considerados dignos de alcançarem aqueles tempos futuros, e da ressurreição dos mortos, nem se casarão, nem se darão em casamento.
36. Porque já não podem mais morrer; pois são iguais aos anjos; e são filhos de Deus, pois são filhos da ressurreição.
37. E até Moisés mostrou, junto à sarça, que os mortos ressuscitam, quando ele chama ao Senhor de Deus de Abraão, e Deus de Isaque, e Deus de Jacó.
38. Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos; pois todos vivem por causa dele.
39. E alguns dos escribas, respondendo, disseram:
Mestre, bem disseste.
40. E não ousavam lhe perguntar mais nada.
41. E ele lhes disse:
Como dizem que o Cristo é filho de Davi?
42. Pois o próprio Davi diz no livro dos Salmos: 
Disse o Senhor a meu Senhor:
Senta-te à minha direita,
43. Até que eu ponha teus inimigos por escabelo de teus pés.
44. Se Davi o chama de Senhor, como, então, é seu filho?
45. Enquanto todo o povo estava ouvindo, ele disse a seus discípulos:
46. Tomai cuidado com os escribas, que querem andar roupas compridas, e amam as saudações nas praças, e as primeiras cadeiras nas sinagogas, e os primeiros assentos nos jantares.
47. Que devoram as casas das viúvas, e fingem fazer longas orações. Estes receberão maior condenação.




20.2 com que autoridade. V. nota em Mc.11:28.

20.4 do céu ou dos homens. V. nota em Mt.21:25.

20.9-18 Sobre os significados espirituais presentes nesta parábola, v. nota em Mt.21:33-44.

20.22 é lícito para nós dar tributo a César? Nesta outra cilada, Jesus foi desafiado a dizer que sim (e atrair o ódio de seus compatriotas judeus) ou que não (e atrair uma represália da parte das autoridades romanas). A sua resposta, porém, deixou os próprios judeus maravilhados (v.26) e seus adversários calados (v.26).

20.25 dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. V. nota em Mt.22:21.

20.27-38 Para os saduceus, se a ressurreição para uma vida póstuma existia, então deveria haver ligações por parentesco assim como ocorre na terra, e, neste caso, aquela mulher ficaria sem saber quem era o seu marido, já que ela havia se casado com sete. Jesus responde a este argumento de duas formas. Primeiro, dizendo que na ressurreição para a vida póstuma não haverá casamento (v.34), pois todos serão como os anjos (v.36), no sentido de que entre os anjos não há ligação por parentesco, marido e esposa, mãe e filho, nora e sogra, etc. Na eternidade, seremos todos “irmãos”, como os anjos são entre eles. Segundo, ele prova a ressurreição dos mortos ao citar uma passagem que diz que Deus é o Deus de Abraão, Isaque e Jacó (v.37). Se os mortos nunca ressuscitassem e jamais saíssem do estado de não-vida, Deus teria dito que ele era o Deus deles. Assim, o texto indica que estes servos de Deus não estão mortos para sempre, mas que voltarão a viver pela ressurreição, porque Deus não é Deus de mortos, mas de vivos (v. nota em Mc.12:27).

20.40 não ousavam lhe perguntar mais nada. V. nota em Mt.22:45.

20.41 como dizem que o Cristo é filho de Davi? V. nota em Mt.22:45.

20.47 devoram as casas das viúvas. V. nota em Mc.12:40. receberão maior condenação. V. nota em Mt.10:15.

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente.