30 de julho de 2014

Comentários de Lucas 21

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. E ele, olhando, viu os ricos lançarem suas ofertas na arca do tesouro [do templo].
2. E viu também uma pobre viúva lançar ali duas pequenas moedas.
3. E disse:
Em verdade vos digo, que esta pobre viúva lançou mais do que todos,
4. Porque todos aqueles [outros] lançaram para as ofertas de Deus daquilo que lhes sobrava; mas esta [viúva], de sua pobreza, lançou todo sustento quanto tinha.
5. E alguns estavam falando do Templo, que estava adornado com formosas pedras e ofertas. Então [Jesus] disse:
6. [D]estas coisas que vedes, dias virão, em que não se deixará pedra sobre pedra, que não seja derrubada.
7. E perguntaram-lhe, dizendo:
Mestre, quando então serão essas coisas? E que sinal haverá, quando essas coisas vierem a acontecer?
8. Então ele disse:
Olhai para que não vos enganem, porque muitos virão em meu nome, dizendo:
Eu sou [o Cristo].
E o tempo já está perto; portanto não os sigais.
9. E quando ouvirdes de guerras, e de rebeliões, não vos espanteis. Porque é necessário que estas coisas aconteçam primeiro; mas ainda não é o fim.
10. Então lhe disse:
Então se levantará nação contra nação, e reino contra reino.
11. E haverá em vários lugares grandes terremotos e fomes, e pragas; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu.
12. Mas antes de tudo isto, eles vos impedirão e vos perseguirão, [vos] entregando em sinagogas e prisões, [e] vos trazendo diante de reis, e governadores, por causa do meu nome.
13. E isto vos acontecerá para haver testemunho.
14. Ponde, então, em vossos corações, de que não planejeis como direis em vossa defesa,
15. Porque eu vos darei boca e sabedoria, para que todos os que forem contra vós não posam [vos] contradizer ou resistir.
16. E vós sereis entregues até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos; e [alguns] de vós serão mortos. 
17. E vós sereis odiados por todos por causa do meu nome.
18. Mas nem um cabelo de vossa cabeça parecerá.
19. Por vossa paciência ganhareis vossas almas.
20. Porém quando virdes a Jerusalém cercada de exércitos, sabei então, que próxima está sua desolação.
21. Então, os que estiverem na Judeia, fujam para os montes; e os que estiverem no meio dela, saiam, e os que estiverem nos campos, não entrem nela.
22. Porque estes são dias de vingança, para que todas as coisas que estão escritas se cumpram.
23. Mas ai das grávidas, e das que amamentarem naqueles dias; porque grande calamidade haverá na terra, e ira contra este povo.
24. E cairão pela lâmina de espada, e serão levados cativos para todas as nações; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se cumpram.
25. E haverá sinais no Sol, [na] Lua, e [nas] estrelas; e na terra sofrimento entre as nações, como o rugir e agitar do mar.
26. As pessoas se enfraquecendo de medo, e da espera das coisas que virão ao mundo, porque os poderes dos céus serão abalados.
27. E então verão o Filho do homem vir em uma nuvem com grande poder e glória.
28. Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima, e levantai vossas cabeças, porque vosso resgate está perto.
29. E disse-lhes uma parábola:
Olhai a figueira, e todas as árvores;
30. Quando vós vedes elas já brotando, sabeis por vós mesmos que o verão já está perto.
31. Assim também vós, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que o Reino de Deus já está perto.
32. Em verdade vos digo, que esta geração não passará, até que tudo aconteça.
33. O céu e a terra passarão, mas minhas palavras de maneira nenhuma passarão.
34. E olhai por vós, para que vossos corações não venham a se encher de ressaca e embriaguez, e das preocupações d[esta] vida; e vos venha aquele dia de surpresa.
35. Porque virá como uma armadilha sobre todos os que habitam sobre a face de toda a terra.
36. Então vigiai sempre, orando para que sejais considerados dignos de escaparem de todas as coisas que irão acontecer, e de ficarem de pé diante do Filho do homem.
37. E ensinava durante os dias no Templo, porém, às noites saía e as passava no monte, chamado as Oliveiras.
38. E todo o povo vinha até ele de manhã cedo ao templo, para o ouvir.




21.7 quando então serão essas coisas? V. nota em Mt.24:3.

21.18 nem um cabelo da vossa cabeça se perderá. Jesus não estava falando da segurança física, pois havia acabado de dizer que os cristãos seriam perseguidos (v.12), presos (v.12), traídos (v.16), odiados (v.17) e mortos (v.16). Ele estava falando da segurança espiritual, daqueles que pela perseverança “ganharão suas almas” (v.19), isto é, serão salvos. Por maior que seja a tribulação, Deus está sempre conosco e está no controle de tudo. 

21.23
 ai das grávidas. V. nota em Mt.24:19.

21.24 tempos dos gentios. O tempo que vai desde a destruição de Jerusalém em 70 d.C (v.20), quando Jerusalém seria “pisada pelos gentios” (v.24), até o dia em que “os tempos dos gentios se cumpram” (v.24), que é quando Jerusalém voltar a ser território israelita. Alguns dizem que isso se cumpriu em 1948, no estabelecimento do Estado de Israel independente, enquanto outros apontam o fato de que Jerusalém ainda não é reconhecida oficialmente como a capital de Israel pela comunidade internacional e que o templo ainda não foi reconstruído – restando, portanto, mais algum tempo até que isto se cumpra, e a grande tribulação e consequente ascensão do anticristo tenham início.

21.27 e então. V. nota em Mt.24:29.

21.27 vir em uma nuvem. Como ele havia predito (At.1:11). Isso atesta a literalidade do texto. Da mesma forma que ele literalmente subiu ao Céu em uma nuvem, ele literalmente voltará à terra em uma nuvem.

21.28 vosso resgate está perto. Somente quando estas coisas “começarem a acontecer” (v.28), e não antesdelas acontecerem. Os cristãos estarão na terra durante o período da grande tribulação, verão as coisas acontecerem (v.31) e então saberão que o fim está perto, restando no máximo sete anos para a tribulação chegar ao fim e a Igreja ser arrebatada – momento no qual os justos que morreram serão ressuscitados e os santos na terra que permaneceram em vida serão levados ao encontro com Cristo nas nuvens (v. nota em 1Ts.4:16-17).

21.32 esta geração não passará. Cristo certamente não estava se referindo à geração de seus dias, que não presenciou todos os eventos descritos por ele até aquele momento, o que incluía a própria volta de Jesus nas nuvens do céu (v.27). Ele não disse que aquela geração não passaria até que “algumas” daquelas coisas acontecessem, mas até que “todas” elas ocorressem. Se Jesus não voltou sobre as nuvens em 70 d.C, é porque o sentido de “geração” aqui provavelmente não é o de totalidade de pessoas que vivem numa mesma época, mas sim de “raça”. Embora a palavra “geração” em português não admita outro significado além daquilo que entendemos pelo termo, no grego a palavra genea (aqui utilizada) tinha vários sentidos e podia significar “aquele que foi gerado, homens da mesma linhagem, família” (Strong, 1074), ou “vários graus de descendentes naturais, os membros sucessivos de uma genealogia” (ibid), ou até mesmo “uma nação perversa” (ibid). É por isso que a King James traduz o termo genea em Ef.2:15 por “nação”, e outras vezes o traduz por “eras” ou “tempos” (At.14:16; 15:21; Ef.3:5; 3:21). Se este for o sentido aqui expresso, Cristo estaria dizendo que a raça israelita não passaria até que tudo – incluindo a sua volta – se cumprisse (e de fato não passou).

Mesmo se o termo genea aqui estivesse significando geração, “esta geração” seria uma referência à geração que vivenciar a tribulação apocalíptica, e Jesus estaria garantindo que todos os eventos tribulacionais se dariam dentro do pequeno espaço de tempo daquela geração. Em Dt.14:18 Deus diz a Moisés que levantaria do meio de vós, de teus irmãos, um profeta como ele, e que este profeta lhes falará o que Jeová lhe ordenar. Este profeta era Jesus, e isto só se cumpriu milênios mais tarde, quando Pedro disse que se referia a estes dias (os de Pedro), em At.3:22-24. O pronome “lhes” foi dito originalmente à geração de Moisés, mas ninguém daquela geração viu Jesus falar nada, e isso só se cumpriu na geração de Pedro. É neste mesmo sentido que Jesus diz a Caifás que ele veria o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu (Mc.14:62), sendo que Caifás morreu bem antes de 70 d.C e não viu nem a tribulação e muito menos a volta de Jesus. Caifás era somente uma representação dos que estarão vivos quando Jesus voltar. Da mesma forma, os pronomes “lhes” ou “vós” aparece em Mt.24, em Mc.13 e em Lc.21, mas como referência à geração que verá a volta de Jesus, não estritamente àquela geração presente. “Esta geração”, ou seja, a geração das pessoas que estarão vivas quando essas coisas acontecerem no futuro, permanecerá viva quando tudo for consumado.

21.36 escaparem de todas as coisas que irão acontecer. “Escapar” aqui pode estar no sentido de chegarem vivos ao final da tribulação, depois de serem perseguidos (v.12), de fugirem (Mt.24:20) e de verem a tribulação acontecendo (v.31), ou mais provavelmente no mesmo sentido expresso no v.18 (v. nota), de proteção espiritual em meio à tribulação (para não perder a fé e apostatar), sentido este que é corroborado pela continuação do verso, que fala sobre orar para que isto aconteça e sobre “ficar de pé diante do Filho do homem” (v.36), que é uma expressão sempre utilizada no NT para o estado espiritual do cristão, que pode “cair” (em pecado) ou “estar de pé” (firme na fé) – v. 1Co.10:12.

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente.