30 de julho de 2014

Comentários de Lucas 11

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. E aconteceu que ele estava orando em um certo lugar. Quando terminou, lhe disse um de seus discípulos:
Senhor, ensina-nos a orar, como João também ensinou a seus discípulos.
2. E ele lhes disse: 
Quando orardes, dizei:
Pai nosso, que [estás] nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, [assim] na terra como no céu.
3. Dá-nos cada dia nosso pão diário.
4. E perdoa-nos nossos pecados, pois também perdoamos a todo aquele que nos deve. E não nos ponhas em tentação, mas livra-nos do mal.
5. Disse-lhes também:
Qual de vós que, tendo um amigo, se for a ele à meia-noite, e lhe disser:
Amigo, empresta-me três pães.
6. Porque um amigo meu veio de viagem até mim, e nada tenho para lhe apresentar.
7. E ele de dentro, respondendo, disser:
Não me perturbe! A porta já está fechada, e meus filhos estão comigo na cama; não posso me levantar para te dar.
8. Digo-vos, que ainda que ele não se levante para lhe dar por seu seu amigo, contudo, por sua teimosia ele se levantará, e lhe dará tudo quanto ele precisar.
9. E eu vos digo: pedi, e será vos dado; buscai, e achareis; batei, e vos será aberto.
10. Porque todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e quem bate, lhe será aberto.
11. E que pai, dentre vós, a quem o filho pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, se também [lhe pedir] peixe, no lugar do peixe lhe dará uma serpente?
12. Ou se também pedir um ovo, lhe dará um escorpião?
13. Pois se vós, sendo maus, sabeis dar bons presentes para vossos filhos, quanto mais dará [vosso] Pai celestial, o Espírito Santo, a aqueles que lhe pedirem?
14. E [Jesus] estava expulsando um demônio, e [este] era mudo. E aconteceu que, saindo o demônio, o mudo falou, e as multidões se maravilharam.
15. Porém alguns deles diziam:
Ele expulsa aos demônios por Belzebu, príncipe dos demônios!
16. E outros, tentando[-o], pediam-lhe um sinal do céu.
17. Mas ele, conhecendo seus pensamentos, disse-lhes:
Todo reino dividido contra si mesmo é transformado num vazio, e a casa contra casa cai.
18. E se também Satanás está dividido contra si mesmo, como durará o seu reino? Porque dizeis:
Por Belzebu ele expulsa aos demônios.
19. E se eu expulso aos demônios por Belzebu, por quem os seus filhos expulsam? Portanto eles serão vossos juízes.
20. Mas se eu expulso aos demônios pelo dedo de Deus, portanto o Reino de Deus chegou a vós.
21. Quando o valente, armado, guarda seu palácio, seus bens estão em paz.
22. Mas vindo outro mais valente que ele, e vencendo-o, toma[-lhe] toda sua armadura, em que confiava, e reparte seus despojos.
23. Quem não é comigo, é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.
24. Quando o espírito imundo tem saído da pessoa, ele anda por lugares secos, buscando repouso; e não [o] achando, diz:
Voltarei para minha casa, de onde saí.
25. E vindo, acha-a varrida e adornada.
26. Então vai, e toma consigo outros sete espíritos piores que ele, e entrando, habitam ali; e as últimas coisas de tal pessoa são piores que as primeiras.
27. E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher da multidão, levantando a voz, lhe disse:
Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que mamaste!
28. Mas ele disse:
Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus, e a guardam.
29. E ajuntando as multidões, começou a dizer: 
Maligna é esta geração; busca sinal, mas sinal não lhe será dado, a não ser o sinal de Jonas o profeta.
30. Porque como Jonas foi sinal para os ninivitas, assim também será o Filho do homem para esta geração.
31. A rainha do Sul se levantará em juízo com as pessoas desta geração, e as condenará; pois até dos fins da terra veio para ouvir a sabedoria de Salomão; e eis que mais que Salomão está aqui.
32. Os homens de Nínive se levantarão em juízo com esta geração, e a condenarão; pois com a pregação de Jonas se converteram; e eis que mais que Jonas está aqui.
33. E ninguém, acendendo a lâmpada, [a] põe em [lugar] oculto, nem debaixo da caixa, mas na luminária, para que os que entrarem vejam a luz.
34. A lâmpada do corpo é o olho. Sendo pois teu olho bom, também todo teu corpo será luminoso; porém se for mau, também [todo] teu corpo será tenebroso.
35. Olha pois que a luz que em ti há não sejam trevas.
36. Então se sendo teu corpo todo luminoso, não tendo parte alguma escura, ele todo será iluminado, como quando a lâmpada com [seu] brilho te ilumina.
37. E estando ele [ainda] falando, um fariseu lhe rogou que viesse para jantar com ele; e entrando, sentou-se [à mesa];
38. E vendo[-o] o fariseu, maravilhou-se de que não tinha se lavado antes de jantar.
39. E o Senhor lhe disse:
Agora vós, os fariseus, limpais o exterior do copo e do prato; porém vosso interior está cheio de roubo e maldade.
40. Loucos, o que fez o exterior não fez também o interior?
41. Porém daí de esmola o que tendes; e eis que tudo vos será limpo.
42. Mais ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda hortaliça; e pelo juízo e amor de Deus passais longe. Estas coisas era necessário fazer, e não deixar as outras.
43. Ai de vós, fariseus, que amais os primeiros assentos nas sinagogas, e as saudações nas praças.
44. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que sois como as sepulturas disfarçadas, e as pessoas que andam sobre elas não sabem.
45. E respondendo um dos estudiosos da Lei, disse-lhe: 
Mestre, quando dizes isto também afrontas a nós.
46. Porém ele disse:
Ai de vós também, estudiosos da Lei, que carregais as pessoas com cargas pesadas para levar, e vós mesmos nem ainda com um de vossos dedos tais cargas tocais.
47. Ai de vós, que construís os sepulcros dos profetas, e vossos pais os mataram.
48. Bem testemunhais pois, que também consentis nas obras de vossos pais; porque eles os mataram, e vós edificais seus sepulcros.
49. Portanto também diz a sabedoria de Deus:
Profetas e apóstolos lhes mandarei; e deles a [uns] matarão, e a [outros] lançarão fora;
50. Para que desta geração seja requerido o sangue de todos os profetas, que foi derramado desde a fundação do mundo;
51. Desde o sangue de Abel, até o sangue de Zacarias, que foi morto entre o altar e a casa [de Deus]; assim vos digo, será requerido desta geração.
52. Ai de vós, estudiosos da Lei, que tomastes a chave do conhecimento; vós mesmos não entrastes, e impedistes aos que estavam entrando.
53. E dizendo-lhes estas coisas, os escribas e os fariseus começaram a apertá-lo fortemente, e tentar lhe fazer falar de muitas coisas,
54. armando-lhe ciladas, e procurando caçar alguma coisa de sua boca, para o poderem acusar.



11.2 santificado seja o teu nome. Não que o nome de Deus já não seja santo, mas para que a humanidade reconheça a santidade de Deus, para que ele seja santo aos olhos dos homens.

11.2 seja feita a tua vontade. V. nota em 1Jo.2:17. na terra como no céu. Que a vontade de Deus seja feita na terra assim como ela é feita no Céu. Evidência de que nem tudo o que ocorre na terra é a vontade de Deus em ação.

11.3 pão diário. O fato de Jesus ressaltar o pão nosso “de cada dia” mostra que a oração deve ser feita diariamente. Assim como alguém que fisicamente não come nada irá morrer de fome, aquele que não se nutre da oração e não busca a Deus está fadado a morrer espiritualmente.

11.4 pois também perdoamos. O nosso perdão para com o próximo é a base e o requisito para o perdão de Deus para conosco (v. nota em Mt.18:23-35).

11.4 não nos ponhas em tentação. A tradução da BLIVRE aqui pode dar entender que é Deus que coloca os crentes em tentação, o que é absurdo, já que “Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta” (Tg.1:13). Uma tradução mais correta que nos livra dessa ambiguidade é a oferecida pela NVI, que diz: “não nos deixes cair em tentação”.

11.5-8 O propósito desta parábola não é ensinar que Deus nos atende de má vontade, à semelhança do homem da parábola (v.7), ou que Deus não seja nosso amigo (v.8). Os meios de uma parábola não podem ser interpretados literalmente (v. notas na parábola do rico e Lázaro, em Lc.16:19-31). A finalidade (lição moral) da parábola é ensinar que devemos ser perseverantes na oração assim como aquele homem foi perseverante em seu pedido.

11.10 quem busca, acha. Jesus não está falando de posses materiais aqui, mas de dons do Espírito Santo (v.13). Deus se revela àquele que o busca, e se revela o quanto mais na medida em que é buscado.

11.14 este era mudo. A função daquele demônio naquela pessoa era torná-la muda. Isso obviamente não significa que toda pessoa que é muda é endemoniada (v. nota em Jo.9:3).

11.16 pedindo-lhe um sinal do céu. V. nota em Mc.8:11.

11.19 por quem os seus filhos expulsam? “Seus filhos” é um meio de se referir aos “seus seguidores”. Os discípulos dos fariseus também tentavam expulsar demônios, e o faziam pelo nome de Deus, e não o de Belzebú – o mesmo que Cristo reivindicava.

11.20 o Reino de Deus chegou a vós. V. nota em Mt.12:28.

11.22 toma-lhe sua armadura. Jesus despojou os poderes e autoridades satânicos, e “fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz” (Cl.2:15).

11.23 quem comigo não ajunta, espalha. V. nota em Mt.12:30.

11.25 acha-a varrida e adornada. A “casa” (que representava nós mesmos – Hb.3:6) estava “varrida e adornada” para o demônio, e não para o Espírito Santo. Uma casa adornada para os demônios é uma casa suja para o Espírito Santo. Aqueles que tiveram um espírito maligno expulso, mas não se consagraram a Deus e não foram preenchidos pelo Espírito Santo, porém antes voltaram às mesmas práticas de pecado em que estavam, logo terão mais uma vez a presença dos mesmos demônios, e de outros piores (v.26).

11.28 antes, bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus, e a guardam. Em resposta à mulher que chamou a mãe de Jesus de bem-aventurada (v.27), Jesus não engrandeceu Maria ainda mais além deste patamar de bem-aventurança – como fazem os papistas, que consideram a mãe de Jesus medianeira das graças, intercessora, advogada, rainha dos céus e co-redentora – mas disse que, antes, bem-aventurados são todos aqueles que praticam o que a Palavra de Deus ensina, o que envolve todos os cristãos. A expressão grega aqui traduzida por “antes” (menounge), quando empregada neste sentido no NT, tem a mesma aplicação de “mais”. Pedro disse que “é preciso obedecer antes (menounge) a Deus do que aos homens” (At.5:29). Por isso a versão católica da CNBB traduz por “mais felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática”. Cristo, com isso, certamente não estava exaltando sua mãe acima do devido, como os romanistas fazem, mas colocando todos os que praticam a palavra de Deus em um mesmo patamar de bem-aventurança que Maria tinha.

11.29 a não ser o sinal de Jonas. V. nota em Mt.16:4.

11.33 mas na luminária. V. nota em Mt.5:14-16.

11.34 a lâmpada do corpo é teu olho. Há pessoas que já fecharam seus olhos para as evidências, e estão pré-dispostas a negarem qualquer argumento, assim como faziam com Cristo. O problema não era a falta de evidências (milagres realizados por Cristo), mas os “olhos” daqueles que já decidiram fechá-los a essas evidências. Eles não precisavam de mais luz, mas de olhos que pudessem ver essa luz (v. nota em Mc.8:11).

11.39 limpais o exterior do copo. V. nota em Mt.23:25.

11.42 e pelo juízo e amor de Deus passais longe. V. nota em Mt.23:23.

11.44 sepulturas disfarçadas. V. nota em Mt.23:27.

11.45 também afrontas a nós. Porque muitos dos mestres da lei também eram fariseus.

11.46 cargas pesadas. Os mestres da lei acrescentaram uma série de exigências cerimoniais que iam muito além daquilo que era prescrito no AT, mas muitas vezes sequer as colocavam em prática, ainda que forçassem o povo a cumpri-las (v. nota em Mt.15:2).

11.51 de Abel até Zacarias. Jesus não disse “Abel e Zacarias”, como se estivesse citando dois nomes aleatórios, mas “Abel até Zacarias”, o que delimita uma extensão, que muito nos ajuda a definir o cânon bíblico verdadeiro. Há duas possibilidades quanto à identificação deste Zacarias, declarado por Mateus como sendo o “filho de Baraquias” (Mt.23:35). A primeira é que se trate do Zacarias assassinado em 2Cr.24:20-22, que ali é considerado “filho de Joiada”. Essa aparente discrepância pode ser explicada caso “filho” esteja no sentido de “antepassado de”, e não em sentido literal. Em Mateus 1:8, por exemplo, Jorão é apresentado como pai de Uzias, quando de fato houve várias gerações entre os dois (2Cr.21:4). Mateus também apresenta Josias como o pai de Joaquim (Mt.1:11), quando ele era seu avô (2Cr.36:1-9). Se é neste mesmo sentido que Mateus coloca Zacarias como sendo filho de Baraquias, então ele estava limitando a extensão dos martírios do AT do Gênesis (onde está relatado o martírio de Abel) até 2ª Crônicas (onde está relatado o martírio de Zacarias). 2ª Crônicas é o último livro na divisão do cânon hebraico, correspondente ao nosso Malaquias, pois os judeus classificavam os livros históricos depois dos proféticos. Limitando o cânon do Gênesis a 2ª Crônicas, ele dispensava os livros apócrifos, adicionados na Bíblia católica. A expressão seria semelhante ao que dizemos hoje: “do Gênesis a Malaquias” – sem a inclusão de nenhum escrito posterior, como os acrescentados no Concílio de Trento (1545-1563).

A outra possibilidade é que este Zacarias seja o profeta Zacarias, de quem a Bíblia nada fala a respeito de martírio, mas a tradição judaica afirma que ele foi martirizado. Se essa segunda alternativa for a correta, Jesus estava tratando do tempo decorrido entre Adão (Gênesis) a Zacarias (um dos últimos livros escritos no AT). Embora Malaquias seja posterior a Zacarias, não há relatos de algum martírio em Malaquias. Assim, Jesus fez menção do primeiro martírio de algum justo no AT (de Abel, registrado em Gênesis), até o último registro histórico de algum profeta martirizado dentro do período que abrange a história do AT, que foi Zacarias. Ele deixou completamente de fora os registros de mártires no período intertestamentário, em que foram escritos os livros apócrifos aceitos entre os católicos, incluindo os mártires Macabeus, o que nos ajuda a delimitar a extensão do cânon para dentro dos limites admitidos pelos judeus e pelos protestantes, sem a inclusão posterior dos apócrifos.

11.52 impedistes aos que estavam entrando. V. nota em Mt.23:13.

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente.