30 de julho de 2014

Comentários de Lucas 10

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. E depois disto, o Senhor ordenou ainda outros setenta, e os mandou de dois em dois adiante de sua face, para toda cidade e lugar para onde ele viria.
2. E lhes dizia:
A colheita verdadeiramente é grande, mas os trabalhadores são poucos; portanto rogai ao Senhor da colheita para que ele traga trabalhadores para sua colheita.
3. Saí; eis que eu vos mando como a cordeiros no meio dos lobos.
4. Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho.
5. E em qualquer casa que entrardes, dizei primeiro:
Paz [seja] nesta casa.
6. E se ali houver algum filho da paz, a vossa paz repousará sobre ele; e se não, ela voltará para vós.
7. E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que tiverem; pois o trabalhador é digno de seu salário. Não passeis de casa em casa.
8. E em qualquer cidade que entrardes, e vos receberem, comei o que puserem diante de vós.
9. E curai os enfermos que nela houver, e dizei-lhes:
Chegado é para vós o Reino de Deus.
10. Mas em qualquer cidade que entrardes e não vos receberem, saí pelas ruas, e dizei:
11. Até o pó de vossa cidade que ficou em nós, sacudimos sobre vós; porém disto sabeis, que o Reino de Deus já chegou a vós.
12. E eu vos digo, que mais tolerável será naquele dia para Sodoma, do que para aquela cidade.
13. Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque se em Tiro e em Sídon tivessem sido feitas as maravilhas que foram feitas entre vós, há muito tempo que teriam se arrependido, em saco e em cinza.
14. Portanto para Tiro e Sídon será mais tolerável no juízo, do que para vós.
15. E tu, Cafarnaum, que [pensas que] estás levantada até o céu, serás derrubada até o mundo dos mortos!
16. Quem ouve a vós, [também] ouve a mim; e quem vos rejeita, [também] rejeita a mim; e quem me rejeita, [também] rejeita ao que me enviou.
17. E os setenta voltaram com alegria, dizendo:
Senhor, até os demônios se sujeitam a nós por teu nome.
18. E disse-lhes:
Eu vi a Satanás, que caía do céu como um raio.
19. Eis que vos dou poder para pisar sobre serpentes e escorpiões, e sobre toda a força do inimigo, e nada vos fará dano nenhum.
20. Mas não vos alegreis de que os espíritos se sujeitem a vós; em vez disso, alegrai-vos por vossos nomes estarem escritos nos céus.
21. Naquela hora Jesus se alegrou em espírito, e disse:
Graças te dou, o Pai, Senhor do céu e da terra; porque tu escondeste estas coisas aos sábios e instruídos, e as revelaste às crianças. Sim, Pai, porque assim lhe agradou diante de ti.
22. Todas as coisas me foram entregues pelo meu Pai; e ninguém sabe quem é o Filho, a não ser o Pai; nem quem é o Pai, a não ser o Filho, e a quem o Filho o quiser revelar.
23. E virando-se para seus discípulos, disse[-lhes] à parte:
Bem-aventurados os olhos que veem o que vós vedes.
24. Porque vos digo, que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; o ouvir o que vós ouvis, e não o ouviram.
25. E eis que um certo estudioso da Lei se levantou, tentando-o, e dizendo:
Mestre, o que devo fazer para ter para herdar a vida eterna?
26. E ele lhe disse:
O que está escrito na Lei? Como tu [a] lês?
27. E respondendo ele, disse:
Amarás ao Senhor teu Deus de todo teu coração, e de toda tua alma, e de todas tuas forças, e de todo teu entendimento; e [amarás] a teu próximo como a ti mesmo.
28. E disse-lhe: 
Respondeste bem; faze isso, e viverás.
29. Mas ele, querendo se justificar, disse a Jesus:
E quem é o meu próximo?
30. E respondendo Jesus, disse:
Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e foi atacado por assaltantes, que também tiraram suas roupas, espancaram-no, e se foram, deixando-o meio morto.
31. E por acaso descia um certo sacerdote pelo mesmo caminho, e vendo[-o], passou longe [dele].
32. E semelhantemente também um levita, chegando junto a aquele lugar, veio, e vendo[-o], passou longe [dele]
33. Porém um certo samaritano, que ia pelo caminho, veio junto a ele, e vendo-o, teve compaixão [dele].
34. E chegando-se, amarrou-lhe [um curativo] nas feridas, pondo-lhe nelas azeite e vinho; e pondo-o sobre o animal que o transportava, levou-o para uma hospedaria, e cuidou dele.
35. E partindo-se no outro dia, tirou dois dinheiros, e os deu para o hospedeiro; e disse-lhe:
Cuide dele; e tudo o que gastares a mais, eu te pagarei quando voltar.
36. Quem, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que foi atacado por assaltantes?
37. Ele disse:
Aquele que agiu tendo misericórdia com ele.
Então Jesus lhe disse:
Vai, e faze da mesma maneira.
38. E aconteceu que eles, enquanto eles caminhavam, ele entrou em uma aldeia; e uma certa mulher, de nome Marta, o recebeu em sua casa.
39. E esta tinha uma irmã, chamada Maria, a qual, sentando-se também aos pés de Jesus, ouvia sua palavra.
40. Marta, porém, ficava muito ocupada com muitos serviços; e ela, vindo, disse:
Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha para servir? Dize a ela, pois, que me ajude.
41. E respondendo Jesus, disse-lhe:
Marta, Marta, [tu és] preocupada com muitas coisas, e perturbada por elas;
42. Mas [somente] uma coisa é necessária. E Maria escolheu a parte boa, a qual não lhe será tirada.




10.2 rogai ao Senhor da colheita. V. nota em Mt.9:38.

10.11 disto sabeis, que o Reino de Deus já chegou a vós. Eles tiveram sua oportunidade de salvação quando as boas novas do evangelho chegaram a eles, e, como rejeitaram, tornaram-se culpados pela sua própria condenação.

10.12 mais tolerável será naquele dia para Sodoma. V. nota em Mt.10:15.

10.15 mundo dos mortos. Hades, no original grego. Hades é o equivalente neotestamentário ao hebraico Sheol, que era o nome dado à sepultura coletiva dos mortos. Enquanto qéver (sepultura) era o nome dado ao túmulo individual de cada pessoa que morre, Sheol era a reunião de todo qéver, como um túmulo coletivo. Sempre quando o Sheol era mencionado, era ressaltado o estado de morte total (inconsciência) dos que ali estavam. Os mortos no Sheol “não sabem de coisa alguma” (Ec.9:10); ali “não há obra, nem engenho, nem conhecimento, nem sabedoria alguma” (Ec.9:10), pois na morte “os pensamentos perecem” (Sl.146:4). É nos dito que “não pode louvar-Te o Sheol, nem a morte cantar-Te os louvores” (Is.32:18), que “os vivos, e somente os vivos, são os que Te louvam” (Is.38:19), que “na morte não há lembrança de Ti” (Sl.6:5) e que no Sheol ninguém louva a Deus (Sl.6:5), pois ali é uma “terra de silêncio” (Sl.115:17; 94:17) e “terra do esquecimento” (Sl.88:12). Como não há uma palavra em português que seja um exato correspondente ao Sheol (sepultura coletiva dos mortos), a maioria das traduções optou por manter os originais Sheol (AT) e Hades (NT), e outras (como a BLIVRE) optaram pelo termo “mansão dos mortos”.

10.18 eu vi a Satanás, que caia do céu como um raio. Uma declaração clara sobre a queda de Satanás, que antes habitava no Céu como um anjo, mas foi expulso dali quando se rebelou contra Deus, sendo então lançado à terra, nos ares (v. notas em Ef.6:12 e em Ap.12:4-9).

10.20 em vez disso, alegrai-vos por vossos nomes estarem escritos nos céus. Mais do que qualquer conquista terrena, por maior que seja, o nosso maior triunfo é a herança celestial em Cristo Jesus, na vida eterna.

10.21 às crianças. No original grego, “aos pequeninos”, não necessariamente crianças em idade, mas “pequeninos” no sentido de serem simples, pobres, humildes ou desprezados pelos “sábios e instruídos” que ele mencionara.

10.29 querendo se justificar. O texto deixa implícito que aquele homem não amava a todos indistintamente, mas que tinha partidarismo e parcialidade quando a questão era o amor para com os outros. Ele provavelmente não considerava seus inimigos como seus “próximos” – o que, para ele, era uma justificativa para não amá-los.

10.29 quem é o meu próximo? Na concepção judaica, os “próximos” eram os judeus que seguiam a tradição dos anciãos, mas Jesus amplia este conceito ao citar uma parábola onde duas pessoas que eram consideradas como o “próximo” (o sacerdote e o levita) ignoram o homem espancado, e onde um samaritano (os samaritanos eram odiados pelos judeus, e vive-versa) o ajuda, sendo o “próximo” do homem espancado. A lição moral da parábola é que até mesmo os seus pretensos “inimigos” estavam incluídos entre aqueles que deveriam ser amados, e que os judeus não estavam moralmente em posição de superioridade em relação aos gentios.

10.30 meio morto. Os meios da parábola não devem ser interpretados literalmente (v notas na parábola do rico e Lázaro, em Lc.16:19-31). Os descrentes não estão “meio” mortos (depravação parcial), mas totalmente mortos espiritualmente (v. nota em Ef.2:1) – uma depravação total.

10.42 mas somente uma coisa é necessária. Marta não estava preocupada simplesmente em arrumar a casa, mas queria deixá-la arrumada para Jesus, querendo servi-lo (v.40). Em outras palavras, Marta estava trabalhando para Cristo. Maria, por outro lado, estava passando tempo com Cristo, o que é diferente. Nesta vida, todos nós temos algum dom e ministério de Deus a servir, e é importante trabalharmos para Deus. Mas nada pode tomar o lugar do mais importante, que é o tempo que passamos com Deus. Nada pode substituir a oração, o louvor e a meditação bíblica, que são os meios de contato direto com Deus, onde estamos nos relacionando com ele. Servir a Deus no ministério é fundamental, mas alguém que somente serve exercendo seu ministério pastoral na igreja e deixa de lado a comunhão direta com o Pai irá morrer espiritualmente com o tempo. Estará deixando de lado o mais importante, como fez Marta. Estará trabalhando, trabalhando e trabalhando, mas se esquecendo daquele para quem trabalhamos.

0 comentários:

Postar um comentário

O seu comentário passará por moderação e em seguida será exibido ao público.