2 de agosto de 2014

Comentários de João 1

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. No princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto de Deus, e a Palavra era Deus.
2. Esta estava no princípio junto de Deus.
3. Por esta foram feitas todas as coisas, e sem ela não se fez coisa nenhuma do que foi feito.
4. Nela estava a vida, e a vida era a luz dos seres humanos.
5. E a luz brilha nas trevas; e as trevas não a compreenderam.
6. Houve um homem enviado por Deus, cujo nome era João.
7. Este veio por testemunho, para que testemunhasse da Luz, para que todos por ele cressem.
8. Ele não era a Luz; mas [foi enviado] para que testemunhasse da Luz.
9. [Esta] era a luz verdadeira, que ilumina a todo ser humano que vem ao mundo.
10. No mundo estava, e por ele foi feito o mundo; e o mundo não o conheceu.
11. Ao [seu] próprio veio, e os seus não o receberam.
12. Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes poder de serem feitos filhos de Deus: aos que creem em seu nome.
13. Os quais não são gerados de sangue, nem de vontade da carne, nem de vontade de homem, mas sim de Deus.
14. E aquela Palavra se fez carne, e habitou entre nós; (e vimos sua glória, como glória do unigênito do Pai) cheio de graça e de verdade.
15. E João dele testemunhou, e clamou, dizendo: 
Este era aquele, de quem eu dizia: 
O que vem após mim é antes de mim; porque era primeiro que eu.
16. E de sua plenitude recebemos todos também graça por graça.
17. Porque a Lei foi dada por Moisés: a graça e a verdade foi feita por Jesus Cristo.
18. A Deus nunca ninguém o viu; o unigênito Filho, que está no seio do Pai, ele [o] declarou.
19. E este é o testemunho de João, quando os judeus mandaram alguns sacerdotes e levitas de Jerusalém, que lhe perguntassem: 
Tu quem és?
20. E confessou, e não negou; e confessou: 
Eu não sou o Cristo.
21. E lhe perguntaram:
Que, então? És tu Elias? 
E ele disse: 
Não sou. 
[Eles disseram]:
Tu és o Profeta? 
E ele respondeu: 
Não.
22. Disseram-lhe pois: 
Quem és? Para darmos resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo?
23. Disse: 
Eu sou a voz do que clama no deserto: 
Endireitai o caminho do Senhor, 
como disse o profeta Isaías.
24. E os enviados eram dos fariseus.
25. E perguntaram-lhe, e disseram-lhe: 
Por que pois batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?
26. João lhes respondeu, dizendo: 
Eu batizo com água; mas em meio de vós, está a quem vós não conheceis,
27. Este é aquele que vem após mim, o qual já foi antes de mim, do qual eu não sou digno de desatar a tira de sua sandália.
28. Estas coisas aconteceram em Betábara, do outro lado do Jordão, onde João estava batizando.
29. O dia seguinte viu João a Jesus vir a ele, e disse: 
Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
30. Este é aquele do qual eu disse: 
Após mim vem um homem que já foi antes de mim; porque já era primeiro que eu.
31. E eu não o conhecia; mas para que fosse manifesto a Israel, por isso vim eu batizando com água.
32. E João testemunhou, dizendo: 
Eu vi ao Espírito como pomba descer do céu, e repousou sobre ele.
33. E eu não o conhecia, mas aquele que me mandou a batizar com água, esse me disse: 
Sobre aquele que vires descer ao Espírito, e repousar sobre ele, esse é o que batiza com Espírito Santo.
34. E eu [o] vi, e testemunhado tenho, que este é o Filho de Deus.
35. O seguinte dia estava outra vez [ali] João, e dois de seus discípulos.
36. E vendo [por ali] andar a Jesus, disse: 
Eis o Cordeiro de Deus.
37. E ouviram[-lhe] os dois discípulos dizer [aquilo], e seguiram a Jesus.
38. E virando-se Jesus, e vendo-os seguir, disse-lhes:
Que buscais? 
E eles lhe disseram: Rabi, (que traduzido, quer dizer, Mestre) onde moras?
39. Disse-lhes ele: 
Vinde, e vede-o; 
Vieram, e viram onde morava, e na companhia dele [n]aquele dia; e já era quase a hora décima.
40. Era André, o irmão de Simão Pedro, um dos dois que ouvira aquilo de João, e o haviam seguido.
41. Este achou primeiro a seu irmão Simão, e disse-lhe: 
Já achamos ao Messias
(que traduzido, é o Cristo).
42. E levou-o a Jesus. E olhando Jesus para ele, disse: 
Tu és Simão o filho de Jonas; tu serás chamado Cefas. 
(que se traduz Pedro).
43. O dia seguinte quis Jesus ir à Galileia, e achou a Filipe, e disse-lhe: 
Segue-me.
44. E era Filipe de Betsaida, da cidade de André e de Pedro.
45. Filipe achou a Natanael, e disse-lhe: 
Havemos achado a [aquele] de quem Moisés escreveu na Lei, e os Profetas: a Jesus, o filho de José, de Nazaré.
46. E disse-lhe Natanael: 
Pode haver alguma coisa boa de Nazaré? 
Filipe lhe disse: 
Vem, e vê.
47. Viu Jesus a Natanael vir, e disse dele: 
Eis verdadeiramente um israelita, em quem não há engano!
48. Natanael lhe disse: 
De onde tu me conheces? 
Respondeu Jesus, e disse-lhe: 
Antes que Filipe te chamasse, estando tu debaixo da figueira, te vi eu.
49. Natanael respondeu, e disse-lhe: 
Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel!
50. Jesus respondeu, e disse-lhe: 
Porque te disse: 
Debaixo da figueira te vi, 
crês? Tu verás coisas maiores que estas.
51. E disse-lhe: 
Em verdade, em verdade vos digo, que daqui em diante vereis o céu aberto, e aos anjos de Deus subir e descer sobre o Filho do homem.




1.1 o Verbo era Deus. As testemunhas de Jeová alegam que a tradução correta seria “o Verbo era um Deus”, porque o grego não possui artigo indefinido e aqui não há o artigo definido. Em resposta a isso, é necessário observar, em primeiro lugar, que várias vezes o NT se refere ao Pai como sendo Deus sem o artigo definido. Em Mt.5:9, Cristo diz que os pacificadores serão chamados “filhos de Deus [uioi theou klêthêsontai]”, sem usar o artigo definido para Deus. Mesmo assim, ninguém crê que os pacificadores serão meramente filhos de “um deus” menor que o Todo-Poderoso. A mesma coisa ocorre em Jo.1:12, em Rm.8:14, em Mt.14:33, em Lc.20:38, em Mt.27:54, em Lc.1:35, em Jo.1:18 e em dezenas de outros textos do NT. Em nenhuma das vezes em que Deus aparece sem artigo definido eles traduzem por “um deus”, como o fazem aqui em Jo.1:1. Segundo, se a intenção de João fosse dar um sentido adjetivo, com Jesus sendo “divino” ou “semelhante a um deus”, ele teria empregado o adjetivo theios, que não é usado aqui, pois ele faz questão de empregar theos – a mesma palavra sempre utilizada no NT para “Deus”. Terceiro, a forma que o grego koiné tinha para usar o sentido indefinido de um substantivo difere-se claramente da que é utilizada aqui. Isso especificamente ocorria quando o substantivo era colocado após o verbo de ligação e sem artigo, o que não acontece aqui. Por fim, há vários textos no NT onde Jesus aparece como Deus com o uso do artigo definido, como em Jo.20:28 (“Senhor meu e Deus meu” – “kurios mou kai o theos mou”) e em Hb.1:8 (“o teu trono, ó Deus” – “o thronos sou o theos”). Portanto, não há razões para duvidar de que o Verbo estava com Deus (Pai) e que o Verbo era Deus (Filho). O “com” (pros) mostra que o Pai não é a mesma pessoa que o Filho (como dizem os unicistas), pois separa ambos, e o theos mostra que o logos (Jesus) participa da mesma natureza divina do Pai.

1.3 por ele foram feitas todas as coisas. Mostra a participação da Trindade na criação. O Pai criou tudo através do Filho (Jo.1:3,10), e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas (Gn.1:2).

1.4 nele estava a vida. A vida eterna só é alcançada através de Cristo Jesus (Jo.10:28). Fora dele, só há morte.era a luz dos homens. Os que não estão em Cristo, espiritualmente estão em trevas (1Jo.1:6; 2:11; 1Ts.5:5) e cegos em entendimento (2Co.4:4).

1.5 a luz brilha nas trevas. Da mesma forma que não há lugar para as trevas onde há luz, não há nada que possa derrotar os filhos de Deus enquanto estes estão na luz, que é Cristo. as trevas não a compreenderam.Outras traduções possíveis são “não a derrotaram” (NVI) ou “não prevaleceram contra ela” (Almeida Revisada Imprensa Bíblica). Estas outras traduções fazem melhor ligação com o sentido do verso, que mostra a luz derrotando as trevas.

1.6 cujo nome era João. Não o autor deste evangelho, mas João Batista (v.15), que foi o precursor do ministério de Jesus (Lc.1:76).

1.7 para que testemunhasse da Luz. O objetivo do ministério de João não era remeter a si próprio, mas a Cristo. Ele deveria diminuir, para que Jesus crescesse e fosse colocado em evidência (v. nota em Jo.3:30).

1.8 ele não era a Luz. João Batista poderia ser considerado uma “luz” secundária, no mesmo sentido de todos os demais cristãos que são considerados “luz do mundo” (Mt.5:14), mas ele não era a fonte de luz, que é somente o Senhor Jesus. Nenhum cristão possui luz em si mesmo; apenas refletimos a luz que há em Cristo. Nós temos luz na medida em que somos iluminados por Cristo, que é a “luz verdadeira” (v.9). Sem recebermos esta iluminação, somos apenas trevas – a nossa natureza caída.

1.9 que ilumina a todo ser humano que vem ao mundo. Isso mostra que todas as crianças já nascem iluminadas por Deus logo ao nascerem, e não apenas “algumas” delas. Todo ser humano é iluminado pelo Senhor na medida em que mantém a pureza e a santidade (como as crianças possuem – v. nota em Mt.19:14). À medida em que vamos crescendo, nos tornamos mais conhecedores do bem e do mal e vamos gradualmente perdendo aquela pureza que tínhamos enquanto crianças. A semente do pecado (que é fruto da natureza caída pelo pecado que herdamos desde Adão) começa a dar frutos, e aquilo que antes era umatendência ou inclinação ao pecado torna-se pecado efetivo. A partir daí perdemos a pureza que tínhamos e nossa natureza se mostra da forma pecaminosa que é. Como consequencia disso, faz-se necessário umaregeneração ou um novo nascimento, que são os termos bíblicos correspondentes ao arrependimento e ao batismo (daí a expressão “renascer da água e do Espírito” – v. nota em Jo.3:5) na vida daqueles que já tem consciência de seus pecados e compromisso com Deus em ter uma vida diferente dali em diante (v. nota em Mt.3:2).

1.10 o mundo não o conheceu. I.e, “não o recebeu” – não aceitou sua mensagem e seu convite de salvação.

1.11 os seus não o receberam. I.e, Jesus foi rejeitado pelos judeus, o seu próprio povo.

1.13 não são gerados de sangue, nem de vontade da carne. Os filhos de Deus não seriam mais os descendentes naturais de Abraão (i.e, o “Israel da carne”), mas os descendentes espirituais de Abraão (o “Israel de Deus” – Gl.6:16), que são todos aqueles que “adoram a Deus em espírito e em verdade” (Jo.4:24), de forma totalmente independente de qualquer questão relativa à carne ou sangue, local ou nacionalidade.

1.14 se fez carne. Jesus não “acrescentou” carne, nem meramente se “revestiu” de uma (como uma capa), mas se tornou (ginomai – “tornar-se; ser feito” [Strong, 1096]) carne – se tornou tão humano como nós (Hb.2:17).

1.15 que vem após mim é antes de mim. Declaração enfática da pré-existência de Cristo. No sentido natural, João Batista nasceu alguns meses antes de Jesus, mas ele diz que Jesus já existia antes dele: “Aquele que vem depois de mim é superior a mim, porque já existia antes de mim” (NVI). É somente a pré-existência de Cristo que pode explicar o fato do Verbo estar com Deus no princípio (Jo.1:1,2) e de ter se tornado homem (v.14). A Bíblia é clara em dizer que Deus fez o mundo por intermédio do Filho, “sem o qual nada teria sido criado” (Jo.1:3), pois “por ele foi feito o mundo” (Jo.1:10). Em Jesus “foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis... todas as coisas foram criadas por ele e para ele” (Cl.1:16). Paulo disse que Jesus, “embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens. E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até à morte, e morte de cruz” (Fp.2:6-8). O próprio Senhor Jesus faz menção à “glória que eu tinha contigo [com o Pai] antes que o mundo existisse” (Jo.17:5), diz: “eu desci do céu” (Jo.6:38), "eu não sou deste mundo" (Jo.8:23) e afirma que “antes que Abraão existisse, EU SOU” (Jo.8:58). Crer na pré-existência de Cristo é fundamental, pois do contrário veremos Jesus da mesma forma que a maioria dos ateus, agnósticos, islâmicos, espíritas, testemunhas de Jeová e demais não-cristãos deste mundo o veem: como um mero homem, no máximo “um grande profeta” ou “alguém muito sábio” com “bons ensinos morais”, mas não como o próprio Deus que se fez carne para pagar o preço que o próprio homem não poderia pagar.

1.17 a Lei foi dada por Moisés: a graça e a verdade foi feita por Jesus Cristo. Deus demonstrou sua graça através de Cristo, ao salvar gratuitamente o homem perdido por meio da fé, uma vez que nós naturalmente somos merecedores de morte eterna, e não de vida eterna. Isso ainda era um conceito bastante distante nos tempos de Moisés, onde aquele que praticasse toda a lei, por ela viveria (Gl.3:12). Assim, enquanto a Lei de Moisés colocava o foco no homem e em como as nossas obras e esforços poderiam garantir-nos salvação, o NT coloca o foco em Cristo, na obra que ele fez em nosso favor, e que nós mesmos jamais poderíamos fazer.Isso é graça.

1.18 a Deus nunca ninguém o viu. Embora Deus tivesse sido visto no AT em teofanias (aparições terrenas visíveis de Deus em alguma forma) a Abraão (Gn.18:1), a Jacó (Gn.32:30) e a Moisés (Êx.3:2), nunca ninguém viu a Deus em glória, isto é, em sua plenitude, no Céu.

1.21 és tu Elias? E ele disse: não sou. Negação categórica para aqueles que pensavam que ele era a reencarnação ou ressurreição de Elias (v. nota em Mt.11:14).

1.21 tu és o Profeta? O profeta predito em Dt.18:15 e que os judeus esperavam vir antes do Messias, mas que na verdade referia-se ao próprio Messias (At.3:22-24).

1.32 Espírito como pomba descer do céu. V. nota em Mt.3:16.

1.33 aquele que me mandou a batizar com água, esse me disse. João deixa claro que recebeu a ordem de batizar diretamente do próprio Deus, e não pelos essênios ou por qualquer outra pessoa, como dizem alguns.batiza com Espírito Santo. V. nota em Mt.3:11.

1.35 Cordeiro de Deus. No AT, cordeiros eram sacrificados diariamente como pagamento pelos pecados cometidos pelos homens. No NT, Jesus é apresentado como o Cordeiro de Deus – aquele que é o sacrifício perfeito e definitivo pelos pecados da humanidade.

1.42 serás chamado Cefas. V. nota em Mc.3:16.

2 comentários:

  1. Boa tarde meu estimado irmão
    Parabéns pelo seu excelente material quer você apresenta e disponibiliza em suas páginas.
    Continue escrevendo, porque este é um dom muito especial que Deus lhe deu.
    Deus o abençoe
    Abraços

    ResponderExcluir

Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente.