30 de julho de 2014

Comentários de Lucas 23

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. E levantando-se toda a multidão deles, o levaram a Pilatos.
2. E começaram a acusá-lo, dizendo:
Encontramos este [homem], que perverte a nação, e proíbe dar tributo a César, dizendo que ele mesmo é Cristo, o Rei.
3. E Pilatos lhe perguntou, dizendo:
Tu és o Rei dos judeus?
E respondendo, ele lhe disse:
Tu o dizes.
4. E Pilatos disse aos chefes dos sacerdotes, e às multidões: 
Não acho culpa nenhuma neste homem.
5. Mas eles insistiam, dizendo: 
Ele incita ao povo, ensinando por toda a Judeia, começando desde a Galileia até aqui.
6. Então Pilatos, ouvindo [falar] da Galileia, perguntou se aquele homem era galileu.
7. E quando soube que era da jurisdição de Herodes, ele o entregou a Herodes, que naqueles dias também estava em Jerusalém.
8. E Herodes, ao ver Jesus, alegrou-se muito, porque havia muito tempo que desejava o ver, pois ouvia muitas coisas sobre ele; e esperava ver algum sinal feito por ele.
9. E perguntava-lhe com muitas palavras, mas ele nada lhe respondia;
10. E estavam [lá] os chefes dos sacerdotes, e os escribas, acusando-o com veemência.
11. E Herodes, com seus soldados, desprezando-o, e escarnecendo dele, o vestiu com uma roupa luxuosa, e o enviou de volta a Pilatos.
12. E no mesmo dia Pilatos e Herodes se fizeram amigos; porque antes tinham inimizade um contra o outro.
13. E Pilatos, convocando aos chefes dos sacerdotes, aos líderes, e ao povo, disse-lhes:
14. Vós me trouxestes a este homem, como que perverte o povo; e eis que eu, examinando-o em vossa presença, nenhuma culpa eu acho neste homem, das de que o acusais.
15. E nem também Herodes; porque a ele eu vos remeti; e eis que ele nada fez para que seja digno de morte.
16. Então eu o castigarei, e [depois] o soltarei.
17. E ele tinha a necessidade de soltar-lhes alguém durante a festa.
18. Porém todos clamavam juntos, dizendo:
Tirai-o daqui! E soltai Barrabás para nós!
19. (O qual por uma rebelião feita na cidade, e [por] uma morte, tinha sido lançado na prisão).
20. Pilatos falou-lhes então outra vez, querendo soltar Jesus.
21. Mas eles clamavam, dizendo:
Crucifica[-o]! crucifica-o!
22. E ele lhes disse a terceira vez:
Pois que mal este fez? Nenhuma culpa de morte nele eu achei. Então eu o castigarei, e [depois] o soltarei.
23. Mas eles continuavam, com grandes gritos, pedindo que fosse crucificado. E seus gritos, e [os] dos chefes dos sacerdotes, prevaleceram.
24. Então Pilatos julgou que se fizesse o que pediam.
25. E soltou-lhes ao que fora lançado na prisão por uma rebelião e [uma] morte, que [era] o que pediam; porém a Jesus [lhes] entregou à sua vontade.
26. E enquanto o levavam, tomaram a um Simão Cireneu, que vinha do campo, e puseram-lhe a cruz às costas, para que a levasse atrás de Jesus.
27. E seguia-o uma grande multidão do povo, e de mulheres, as quais também ficavam desconsoladas, e lamentavam por ele.
28. E Jesus, virando-se para elas, disse:
Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, mas chorai por vós mesmas, e por vossos filhos.
29. Porque eis que vêm dias em que dirão:
Bem-aventuradas as estéreis, e os ventres que não deram a luz, e os peitos que não amamentaram.
30. Então começarão a dizer aos montes:
Cai sobre nós;
E aos morros:
Cobri-nos!
31. Porque, se fazem isto à árvore verde, o que se fará com a [árvore] seca?
32. E também levaram outros dois, que eram malfeitores, para matar com ele.
33. E quando chegaram ao lugar, chamado a Caveira, o crucificaram ali, e aos malfeitores, um à direita, e outro à esquerda.
34. E Jesus dizia:
Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo suas roupas, lançaram sortes.
35. E o povo estava olhando; e os líderes também zombavam com eles, dizendo:
Salvou a outros, salve agora a si mesmo, se é o Cristo, o escolhido de Deus.
36. E os soldados também escarneciam dele, aproximando-se dele, e mostrando-lhe vinagre;
37. E dizendo:
Se tu és o Rei dos judeus, salva a ti mesmo.
38. E também estava acima dele um título escrito com letras gregas, romanas e hebraicas:
ESTE É O REI DOS JUDEUS.
39. E um dos malfeitores que estavam pendurados o insultava, dizendo:
Se tu és o Cristo, salva a ti mesmo, e a nós.
40. Porém o outro, respondendo, repreendia-o, dizendo:
Tu ainda não temes a Deus, [mesmo] estando na mesma condenação?
41. E nós realmente [estamos sendo punidos] justamente, porque estamos recebendo de volta merecidamente por aquilo que praticamos; mas este nada fez de errado.
42. E disse a Jesus:
Senhor, lembra-te de mim, quando chegares em teu Reino.
43. E Jesus lhe disse:
Em verdade te digo, hoje estarás comigo no paraíso.
44. E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra, até a hora nona.
45. E o sol se escureceu, e o véu do templo se rasgou ao meio.
46. E Jesus, clamando em alta voz, disse:
Pai, em tuas mãos eu entrego meu espírito.
E tendo dito isto, parou de respirar.
47. E o centurião, vendo o o que tinha acontecido, deu glória a Deus, dizendo:
Verdadeiramente este homem era justo.
48. E todas as multidões que se juntavam para observar, vendo o que tinha acontecido, voltaram, batendo nos peitos.
49. E todos os seus conhecidos, e as mulheres que acompanhando[-o] desde a Galileia, tinham o seguido, estavam longe, vendo estas coisas.
50. E eis que um homem, de nome José, membro do conselho [de justiça], sendo homem bom e justo. 
51. (Que não tinha concordado, nem com o conselho, nem em atos que fizeram), da cidade de Arimateia, [da terra] dos judeus, e que também esperava pelo Reino de Deus.
52. Este, chegando a Pilatos, pediu o corpo de Jesus.
53. E tendo o tirado, o envolveu em um tecido de linho, e o pôs em um sepulcro, escavado em uma rocha, onde nunca ainda tinha sido posto.
54. E era o dia da preparação, e o sábado estava começando.
55. E as mulheres que vieram com ele da Galileia também [o] seguiram, e viram o sepulcro, e como seu corpo foi posto.
56. E elas, ao voltarem, prepararam materiais aromáticos e óleos perfumados. E descansaram o sábado, conforme o mandamento.



23.2 proíbe dar tributo a César. Para Jesus ser legalmente condenado diante de Pilatos (o governador romano), não bastariam as acusações de cunho religioso, como as que condenaram Jesus no julgamento diante de Caifás (22:66-71). Era necessário fazer alguma acusação de cunho político, algum crime contra Roma que merecesse a morte, que, no caso, foi a calúnia de que Jesus proibia pagar imposto a César, quando de fato o que ele pregou foi exatamente o contrário (Mt.22:21).

23.3 tu és o Rei dos judeus? Por razões óbvias, as autoridades romanas puniam com a morte qualquer um que se declarasse “rei”, isto é, que instaurasse uma revolução ou um motim entre o povo, insurgindo-se contra Roma. Jesus, porém, era rei em um sentido diferente, não de um Reino físico, mas de um Reino nos céus.

23.7 o entregou a Herodes. Querendo transferir a responsabilidade, da mesma forma que fez ao lavar as mãos (v. nota em Mt.27:24).

23.26 puseram-lhe a cruz às costas. V. nota em Mt.27:32.

23.29 bem-aventuradas as estéreis. Em direta simetria com o “ai das grávidas” (v. nota em Mt.24:19).

23.30 cai sobre nós; e aos morros: cobri-nos! Em Apocalipse é dito que “naqueles dias os homens procurarão a morte, mas não a encontrarão; desejarão morrer, mas a morte fugirá deles” (Ap.9:6).

23.31 se fazem isto à árvore verde, o que se fará com a árvore seca? I.e, se fazem isso enquanto Jesus ainda está entre eles, quanto mais depois que já não estiver. A perseguição a Cristo era só o começo da perseguição implacável aos cristãos em geral.

23.33 chamado a Caveira. V. nota em Mc.15:22.

23.34 não sabem o que fazem. O faziam por ignorância espiritual, pois estavam cegos espiritualmente pelo “deus deste século”, que “cegou o entendimentos dos incrédulos, para que não lhes resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo” (2Co.4:4). O sentido do texto é que, se eles pudessem ver espiritualmente, não fariam com Cristo aquilo que estavam fazendo, e somente o faziam porque eram ignorantes das coisas de Deus. Alguém que está em trevas não vê se um abismo está à sua frente, e pode cair nele. Se estivesse na luz, saberia do que está fazendo e evitaria a queda.

23.35 salve agora a si mesmo. A ironia estava no fato de que Cristo não estava na cruz para salvar a si mesmo, mas para salvar exatamente aquelas pessoas que estavam zombando e pedindo que ele salvasse a si mesmo! Se Cristo salvasse a si mesmo, não teria salvado eles. Ele decidiu morrer para si mesmo, porque a sua morte era vida para muitos outros. Ele morreu pela única razão de que pudéssemos viver.

23.42 quando chegardes em teu Reino. A maioria das traduções bíblicas vertem por “quando vier em teu Reino”, e não por “quando entrar no teu Reino”. A palavra grega aqui utilizada, erchomai, pode ter tanto um como o outro significado, mas o de “vir” é bem mais frequente do que o de “entrar”. Ela aparece 620 vezes no NT, sendo 512 vezes no sentido de “vir” e somente duas vezes no sentido de “entrar” (NAS New Testament Lexicon grego). Buttmannm acrescenta que “quando é usado com substantivos de tempo, expressa um sentido futuro, virá" (Buttmannm 204; Winer Gramática § 40, 2).

23.43 hoje estarás comigo no Paraíso. O original grego não possuía vírgulas ou pontuação alguma, e o que Jesus literalmente disse foi: “em verdade te digo hoje estarás comigo no Paraíso”, ficando a vírgula totalmente a critério do tradutor (que na maioria das vezes é imortalista, e por essa razão traduz o verso de acordo com a tradição denominacional que possui). O verso poderia ser entendido da forma que foi traduzido pela BLIVRE, como também poderia ter sido traduzido por: “em verdade te digo hoje, estarás comigo no Paraíso”. As razões que levam a crer que esta segunda alternativa de tradução é mais plausível são diversas. Primeiro, porque mesmo depois de ressurreto Jesus disse a Maria Madalena que “não me detenhas, pois ainda não subi para o meu Pai” (Jo.20:17). Se depois de três dias Jesus ainda não havia subido ao Pai, então ele não esteve com o ladrão da cruz naquele mesmo dia no Paraíso, que é onde Deus fica (2Co.12:4). Segundo, porque a Bíblia é clara ao dizer que a alma de Jesus esteve no Hades nos dias em que ele esteve morto (At.2:27), e não no Paraíso, que fica no terceiro céu (2Co.12:2-4). O Hades não fica no céu, mas em oposição ao céu (Mt.11:23). Terceiro, porque dificilmente o ladrão da cruz morreu naquele mesmo dia. O normal era os crucificados ficarem por dias pendurados à cruz, razão pela qual Pilatos, experiente em crucificações, ficou surpreso ao ver que Jesus já havia morrido (v. nota em Mc.15:44). Quarto, porque alguns códices antigos, como o Vaticano, colocam um “ponto” (equivalente à nossa vírgula) depois do “hoje”, e cristãos a partir do século V, como Hesíquio de Jerusalém, verteram o texto desta forma.

Quinto, porque os Manuscritos Bc e Sy-C, Antigo Siríaco (datados do terceiro século), grandemente respeitados pela crítica textual moderna, vertem o texto por “eu digo a você hoje, que Comigo tu deve estar no Jardim de Éden” (Jardim do Éden era a forma de se referir ao Paraíso). Sobre a tradução da Peshitta em Lc.23:43, o Dr. Bruce M. Metzger, um dos mais respeitados teólogos e erudito evangélico, escreveu: “O Siríaco Curetoniano rearranja a ordem das palavras juntando semeron [hoje] não com met emou ese, [estará]  mas com amen soi lego [em verdade eu te digo] – ‘Em verdade eu te digo hoje que comigo estarás...’”. Sexto, a vírgula depois do “hoje” faz mais sentido à luz do verso anterior, que fala sobre o ladrão ser lembrado por Cristo quando ele viesse em Seu Reino, na Sua segunda vinda, e Cristo garantia naquele mesmo dia, o “hoje” em questão, que ele estaria com Ele no Paraíso. Era uma forma de dizer: “não precisa torcer para que eu me lembre de você quando voltar; hoje mesmo eu lhe garanto que estarás comigo no Paraíso”. O ladrão queria uma lembrança futura, e Cristo lhe deu uma lembrança (garantia) presente, sobre algo que se consumaria no acontecimento futuro da Sua vinda. Sétimo, expressões como “te ordeno hoje” (Dt.6:6; 11:8; 4:40; 30:11), “declaro hoje” (Jr.42:21; Dt.30:18; At.20:26), “testifico hoje” (Dt.8:19; 32:46), “ponho hoje” (Dt.4:8), “proponho hoje” (Dt.30:15; 11:32), “vos mando hoje” (Dt.11:27), “vos anuncio hoje” (Zc.9:12) e formas semelhantes à de Lc.23:43 ocorrem abundantemente na Bíblia e era uma forma extremamente comum de se comunicar na época.

Por fim, mesmo se a tradução correta fosse a da vírgula anterior ao “hoje” (tradução extremamente improvável), isso não implicaria em imortalidade da alma, já que o parâmetro temporal na eternidade não é um equivalente exato ao parâmetro temporal na terra. Nem Deus nem os anjos vivem sob o parâmetro temporal do chronos, e por essa razão na eternidade “um dia é como mil anos, e mil anos como um dia” (2Pe.3:8). O sentido do verso, neste caso, poderia ser que o ladrão estaria rapidamente ou iminentemente com Cristo, o que ocorreria pelo fato de não existir tempo entre a morte e a ressurreição, e, consequentemente, a vida póstuma se dá através de um piscar de olhos para quem morreu, ainda que tenham se passado longos anos na visão de quem ainda está vivo (v. nota em Fp.1:23).

23.45 o véu do templo se rasgou ao meio. V. nota em Mt.27:51.

23.46 em tuas mãos eu entrego meu espírito. V. nota em At.7:59.

23.48 batendo nos peitos. Reconhecendo o próprio erro.

23.50 membro do conselho. I.e, membro do sinédrio, uma espécie de “senado” da época. Ele era um político considerado “bom e justo” (v.50), o que mostra que não há conflito entre ser cristão e se envolver na política, desde que se mantenha a honestidade e o caráter.

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente.