15 de julho de 2014

Comentário de Mateus 12

_________________________________________________________________

Este capítulo faz parte da obra: “O Novo Testamento Comentado”, de autoria de Lucas Banzoli e de livre divulgação.
_________________________________________________________________


1. Naquele tempo Jesus estava indo pelas plantações de cereais no sábado; e seus discípulos tinham fome, e começaram a arrancar espigas, e a comer.
2. E os fariseus, ao verem, lhe disseram: 
 Eis que teus discípulos fazem o que não é lícito fazer no sábado.
3. Porém ele lhes disse: 
 Não tendes lido o que Davi fez, quando teve fome, ele e os [estavam] que com ele?
4. Como ele entrou na casa de Deus, e comeu os pães da proposição, que a ele não era lícito comer, nem também aos que [estavam] com ele, a não ser somente aos sacerdotes?
5. Ou não tendes lido na Lei, que nos sábados, os sacerdotes no Templo profanam o sábado, e ficam sem culpa alguma?
6. Porém eu vos digo que [o] maior que o Tempo está aqui.
7. Mas se vós soubésseis que coisa é:
 Quero misericórdia, e não sacrifício,
 Não condenaríeis aos inocentes.
8. Porque o Filho do homem é Senhor até mesmo do sábado.
9. E partindo dali, entrou na sinagoga deles.
10. E eis que havia ali um homem que tinha uma mão seca; e eles, para o acusarem, perguntaram-lhe, dizendo: 
 É lícito curar nos sábados? 
11. E ele lhes disse: 
 Qual homem de vós haverá, que tenha uma ovelha, e se a tal cair em uma cova no sábado, não a pegue, e a levante?
12. Pois quanto mais vale um ser humano que uma ovelha? Portanto é lícito fazer o bem nos sábados.
13. Então disse para aquele homem: 
 Estende tua mão; 
e ele a estendeu, e foi-lhe restituída sã como a outra.
14. E os fariseus, tendo saído, reuniram-se para tramarem contra ele, sobre como o matariam.
15. Mas Jesus, sabendo [disso], retirou-se dali; e muitas multidões o seguiram, e ele curou a todos.
16. E os advertia, para que não espalhassem notícias sobre ele.
17. Para que se cumprisse o que foi declarado pelo profeta Isaías, que disse:
18. Eis aqui meu servo a quem escolhi, meu amado em quem minha alma se agrada; sobre ele porei meu Espírito, e anunciará julgamento às nações.
19. Ele não brigará, nem gritará; nem ninguém sua ouvirá voz pelas ruas.
20. A cana esmagada ele não despedaçará, e o pavio que fumega não apagará, até que conduza o julgamento à vitória.
21. E em seu nome as nações esperarão.
22. Então lhe trouxeram um endemoninhado cego e mudo; e ele o curou de tal maneira que o cego e mudo falava e via.
23. E todas as multidões se admiravam e diziam: 
 Não é este o Filho de Davi?
24. Mas os fariseus, ao ouvirem, diziam: 
 Este não expulsaria os demônios, se não fosse por Belzebu, o chefe dos demônios.
25. Porém Jesus, conhecendo os pensamentos deles, disse-lhes: 
 Todo reino contra si mesmo é destruído; e toda cidade, ou casa, dividida contra si mesma, não permanecerá.
26. E se Satanás expulsa a Satanás, contra si mesmo está dividido; como então seu reino continuará?
27. E se eu expulso os demônios por Belzebu, então por quem vossos filhos os expulsam? Por isso, eles serão vossos juízes.
28. Mas se eu pelo Espírito de Deus expulso os demônios, então já chegou até vos o Reino de Deus.
29. Ou como pode alguém entrar na casa do valente, e saquear seus bens, se primeiro não amarrar ao valente? E então saqueará sua casa.
30. Quem não é comigo é contra mim; e quem não junta comigo, espalha.
31. Portanto eu vos digo: todo pecado e blasfêmia será perdoado aos seres humanos; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos seres humanos.
32. E qualquer um que falar palavra contra o Filho do homem, lhe será perdoado; mas qualquer que falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem nestes tempos, nem nos que virão.
33. Ou fazei a árvore boa, e seu fruto bom; ou fazei a árvore má, e seu fruto mau; porque pelo fruto se conhece a árvore.
34. Raça de víboras, como podeis vós falar boas coisas, sendo maus? Porque da abundância do coração a boca fala.
35. A boa pessoa tira boas coisas do bom tesouro do coração, e a má pessoa tira más coisas do mau tesouro.
36. Mas eu vos digo que, de toda palavra inútil que as pessoas falarem, dela darão conta no dia do juízo.
37. Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado.
38. Então responderam uns dos Escribas e dos Fariseus, dizendo: 
 Mestre, queremos ver de ti algum sinal.
39. Mas ele respondeu, e disse-lhes: 
 Uma geração má e adúltera pede sinal; mas não será lhes dado, a não ser o sinal do profeta Jonas.
40. Porque assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do homem estará três dias e três noites no coração da terra.
41. Os de Nínive se levantarão em juízo com esta geração, e a condenarão; porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis que [o] maior que Jonas está aqui.
42. A rainha do sul se levantará em juízo com esta geração, e a condenará; porque veio dos fins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E eis que [o] maior que Salomão está aqui.
43. E quando o espírito imundo sai da pessoa, ele anda por lugares secos buscando repouso e não o acha.
44. Então diz: 
 Voltarei para minha casa de onde saí. E vindo, a acha desocupada, varrida, e adornada.
45. Então vai, e toma consigo outros sete espíritos piores que ele; eles entram, [e], moram ali; e as últimas coisas de tal pessoa se tornam piores que as primeiras. Assim também acontecerá a esta geração má.
46. E estando ele ainda falando às multidões, eis que sua mãe e seus irmãos estava fora, querendo falar com ele.
47. E alguém lhe disse: 
 Eis que estão fora tua mãe e teus irmãos, querendo falar contigo.
48. Porém ele, respondendo, disse ao que lhe avisou: 
 Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos?
49. E estendendo sua mão sobre seus discípulos, disse: 
 Eis aqui minha mãe e meus irmãos;
50. Porque qualquer um que fizer a vontade de meu Pai, que [está] nos céus, esse é meu irmão, e irmã, e mãe.





12.8 o Filho do homem é Senhor até mesmo do sábado. Assim como Jesus era maior que o Templo (v.6), ele também era maior que o sábado (v.8). “Senhor” é um título de autoridade sobre algo inferior. Isso não significa que Jesus quebrava o sábado (em seus dias a lei ainda vigorava), mas sim que era incoerente condenar o maior (Jesus) por algo menor (sábado).

12.14
 
e os fariseus, tendo saído, reuniram-se para tramarem contra ele, sobre como o matariam. Os fariseus haviam acrescentado muitas regras provenientes de sua tradição que ultrapassavam os limites das Escrituras, como a proibição da cura no sábado (v.10), que não existe no AT. Ao condenar as tradições para seguir somente a Bíblia, Jesus estava desafiando a tradição farisaica, razão que os levou a planejar a morte que mais tarde foi consumada com a traição de Judas (v. nota em Mc.7:3-13).

12.23 Filho de Davi. O Messias, que deveria ser descendente de Davi (Jo.7:42).

12.28 então já chegou até vos o Reino de Deus. O Reino em sua forma espiritual (na pessoa de Cristo). O Reino em sua forma física ainda estaria por vir (Lc.13:29).

12.29 se primeiro não amarrar o valente. Satanás tem que ser “amarrado” antes de ser “saqueado”. Isso, contudo, não significa que a expressão “está amarrado” seja necessária no momento de expulsar Satanás. Ele é naturalmente amarrado dada a ordem de expulsão. Todas as vezes em que exorcismos eram feitos, somente se expulsava em nome de Jesus, sem mais delongas (At.16:18; 19:13; Mc.9:25; Lc.4:35).

12.30 quem não ajunta, espalha. Para Jesus, omissão era o mesmo que negação. Colocar-se em uma posição de neutralidade, sem decididamente se posicionar em favor de Cristo, crendo nele e seguindo a Sua Palavra (Escrituras), é o mesmo que se colocar contra ele. Fora do Cristianismo não existe nenhuma posição de neutralidade, mas somente oposição.

12.31 blasfemar contra o Espírito Santo. V. nota em Lc.12:10.

12.32 nem nestes tempos, nem nos que virão. Jesus não estava ensinando que existe um lugar de perdão de pecados depois da morte, mas que quem pecasse contra o Espírito Santo não teria perdão nunca. Por toda a Bíblia é claro o sentido de que a oportunidade de salvação e perdão dos pecados limita-se a esta vida terrena (Hb.9:27; 2Co.6:1-2; Hb.3:13). No grego, a palavra utilizada foi aion, que significa “para sempre”, passando o sentido de que aquela pessoa não seria perdoada “nem agora e nem nunca”, e não que há a possibilidade de receber perdão depois da morte. O sentido secundário de aion é de “mundos”, podendo-se referir à Nova Jerusalém que descerá dos céus (Ap.21:2-3), e, neste caso, o texto estaria dizendo que quem blasfemasse contra o Espírito Santo não receberia perdão nem nesta vida, nem após a ressurreição – contrariando os universalistas. De uma forma ou de outra, o texto não afirma absolutamente nenhum purgatório, inventado pelos papistas no segundo Concílio de Lyon (ano 1274). O próprio fato de Cristo se referir aos “tempos que virão” ou a “era que há de vir” já mostra que não pode estar falando do purgatório, já que, para o catolicismo romano, o purgatório era algo já vigente, e não algo que existiria no futuro.

12.40 baleia. Tradução equivocada. A palavra grega ketos significa primariamente um “peixe imenso” (Strong, 2785), não necessariamente uma baleia. O peixe que provavelmente engoliu Jonas foi o cachalote, que vivia naquelas regiões e tem estrutura orgânica para isso. Há relatos históricos até o século XX de marinheiros que foram engolidos vivos por cachalotes, e de pessoas que sobreviveram depois de dois dias engolidas pelo peixe.

12.46 seus irmãos. V. nota em Mc.6:3.

12.48-49 Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? (...) Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Jesus considerava a sua família espiritual acima da sua família natural. Essa família espiritual era constituída por todo aquele que fizesse a vontade do Pai (v.50).

0 comentários:

Postar um comentário

O seu comentário passará por moderação e em seguida será exibido ao público.